terça-feira, 30 de outubro de 2012

GIA (Gia, EUA, 1998) - Filme



Realizado para a HBO em 1998 com roteiro e direção de Michael Cristofer e com uma Angelina Jolie no auge de sua beleza, o filme é uma boa cinebiografia de uma das primeiras supermodels surgidas no final dos anos 70, Gia Carangi.
O filme a retrata como uma lésbica rebelde sem causa extremamente carente e insegura que acaba viciada em drogas injetáveis, sendo uma das primeiras celebridades a morrer por conta da AIDS.
Realizado com uma estética de falso documentário, atores interpretam pessoas reais e dão sua opinião sobre Gia e sua versão dos fatos ao longo do filme, desmistificando ou glorificando a cruel indústria da moda.
Sobre o elenco, Faye Dunaway faz sua mentora no mundo da moda, Mila Kunis faz Gia quando menina e Elizabeth Michel (de LOST), seu interesse amoroso.
Para quem se interessa sobre o assunto, um dos melhores filmes do gênero.
E tem Angelina peladinha. Parece que se não tem gente pelada, a HBO não exibe.
Esse tem nas locadoras.




domingo, 28 de outubro de 2012

OS ÍNDIOS GUARANI-KAIOWÁ - Reportagem

 

Disputa entre índios e produtores rurais em MS é histórica; entenda


Ordem judicial prevê retirada de 170 índios de fazenda.
Funai e MPF recorreram, e indígenas prometem resistir.


Eduardo Carvalho Do Globo Natureza, em São Paulo

Leia a matéria original aqui.


O caso do grupo de 170 índios guarany-kaiwá que ocupa 2 hectares (20 mil m²)  de uma fazenda privada em Iguatemi (MS), a 466 km de Campo Grande, desde novembro de 2011, e teve sua retirada decretada pela Justiça é resultado de um longo processo de conflito na região, de acordo com fontes consultadas pelo G1.

Nesta quinta-feira (25), o Ministério Público Federal (MPF) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) recorreram da determinação da Justiça Federal de devolução da área.

Na última semana, uma carta divulgada pelos indígenas pediu a intervenção do governo federal para evitar a retomada. Os índios alegam “ter direito de sobreviver à margem do Rio Hovy e próximo do território tradicional Pyelito Kue/Mbarakay”, nome antigo da região que, segundo estudos da Funai, era ocupada desde tempos ancestrais pela etnia.


Assine a petição da AVAAZ
Ajude a chegar nas 300.000 assinaturas.
Divulgue.


'Morte coletiva'

Na carta divulgada pelo Conselo Indigenista Missionário (Cimi) no último dia 19, escrita pela comunidade da Terra Indígena Pyelito Kue, os índios pediam que a reintegração de posse não fosse feita e afirmaram que, se a Justiça Federal continuar com a decisão, isso decretaria sua “morte coletiva”.

A expressão chegou a ser interpretada como a possibilidade de este grupo cometer suicídio coletivamente.
O Cimi, no entanto, explicou que a expressão se referia ao fato de que os indígenas pretendiam resistir juntos, a todo custo.

Apesar de não pretenderem se suicidar coletivamente neste caso, a população guarany-kaiwá de Mato Grosso do Sul é marcada por uma alta taxa deste tipo de morte.

Segundo relatório do Distrito Sanitário Especial Indígena de Mato Grosso do Sul (DSEI/MS), entre 2000 e 2011 foram registrados 555 suicídios entre jovens guarany-kaiwá (com idade entre 15 e 29 anos) - uma taxa de mortalidade 62,01 mortes para cada grupo de 100 mil pessoas. Em 2007, o índice nacional era de 4,7 para cada grupo de 100 mil pessoas.

De acordo com Spensy Pimentel, pesquisador do Centro de Estudos Ameríndios da Universidade de São Paulo (USP), os suicídios não podem ser vistos fora do contexto das disputas por terras. “A situação lá está descontrolada, em função da morosidade com que o problema fundiário vem sendo encarado. Dessa forma, o problema continua e, para além dessa discussão sobre o Pyelito, há suicídios acontecendo em toda a região dos Kaiwá e Guarany, em dezenas de comunidades”, explica.

Segundo ele, são jovens, principalmente, “sem perspectiva de vida, frustrados, que, às vezes, por conta de pequenos problemas cotidianos, chegam a essa decisão extrema. A responsabilidade pela situação, evidentemente, não é dos indígenas, é de quem criou o confinamento, o estado brasileiro”, complementa.

Com 43.401 indígenas guarany-kaiwá vivendo no estado, a disputa por terras entre índios e produtores rurais é resultado de um longo processo histórico.





Ocupação histórica

De acordo com a Funai, o conflito envolvendo os guarany-kaiwá e fazendeiros começou na segunda metade do século 19, logo após a Guerra do Paraguai. Após a disputa, foi iniciada uma ocupação sistemática do território sul da então província de Mato Grosso, com a implantação de colônias agrícolas e atividades agropecuárias.

Segundo Flávio Machado, coordenador regional do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), entre 1940 e 1970 houve um intenso processo de expulsão de índios de áreas ocupadas para reservas criadas em diversas partes do estado. “A partir deste momento, eles começaram a resistir ao processo de invasão e descolonização dos territórios, o que gerou conflitos graves e violentos, com registros de mortes”, disse Machado.

Dados do levantamento “As violências contra os povos indígenas em Mato Grosso do Sul”, divulgados no ano passado pelo Cimi, afirmam que entre 2003 e 2010, 250 indígenas morreram assassinados. Entretanto, não há comprovação de que os crimes têm relação com conflitos agrários.

A Funai aponta que em todo o estado existem atualmente 24 terras indígenas regularizadas ocupadas pelos guarany-kaiwá (entre propriedades regularizadas, homologadas, declaradas e delimitadas). O total de terras equivale a 90,4 km² -- cinco vezes o tamanho da Ilha de Fernando de Noronha.

No entanto, a área atual destinada aos indígenas está muito aquém de uma estimativa feita em 2008 por um grupo de estudo da própria Funai, que informou serem necessários 6 mil km² apenas para a população dos guarany-kaiwá – área cinco vezes maior que o tamanho do município do Rio de Janeiro.

“As famílias estão voltando para os locais de onde foram expulsas. Os velhos lembram das áreas. Eles passaram a entrar em terras que, agora, são propriedades privadas. Este ano, os guarany-kaiwá declararam ser o ano da retomada”, explicou Machado.

Negociação pacífica

Para Carlo Daniel Coldibelli, assessor jurídico da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), que representa os produtores locais, é fato a existência de problemas sociais e carência de atendimento aos indígenas. Ele afirma, porém, que há um interesse do setor agropecuarista em resolver este problema de forma pacífica.

“Existem pessoas que fomentam a invasão como mecanismo de acelerar a cessão de terras, para que o governo atenda a demanda indigenista, dando a falsa imagem de que o índio sofre agressão do produtor rural [que tenta reintegrar sua propriedade]. Não é a realidade”, afirma.

Ele explica que casos de invasão de índios, como a ocorrida na região de Iguatemi, deverão ser resolvidos na Justiça. “Essa é a orientação, para que o proprietário de terra garanta seu direito. Já temos vários processos ajuizados pela Famasul e alguns municípios”, disse Coldibelli.

Spensy Pimentel afirma que há anos os proprietários de terra da região travam trabalhos conduzidos pela Funai, que tenta demarcar áreas para determinar territórios indígenas. “Em vez de colaborar para que os trabalhos andem, tentam barrar processos, como em 2008, quando decretos legislativos tentaram impedir o trabalho da Funai na região. Não querem admitir o direito dos guarany-kaiwá, reconhecido pela Constituição”, afirma.

Ele disse ser necessário um maior engajamento do setor agropecuário para mudar a atual situação, que considera “terrível”. “É realmente desesperadora a situação e o que impressiona é a insensibilidade. Não se vê boa vontade em sentar para conversar. Eles dizem que querem negociar, mas falta vontade para reconhecer e admitir que há uma coisa séria acontecendo”.

Acompanhamento jurídico da Funai

Por meio de nota, a Funai afirma que a situação dos guarany-kaiwá é caracterizada como de confinamento, devido à alta densidade populacional. “A qualidade de vida e, especificamente, a segurança alimentar, estão associadas ao acesso efetivo dos povos indígenas ao seu território tradicional”.

A fundação explica que, desde 2008, há trabalhos de regularização das terras indígenas, com a instituição de seis grupos de trabalho para identificar e delimitar terras guarany-kaiwá na parte sul de Mato Grosso do Sul.

Sobre o caso de Pyelito Kue, a Funai afirma que acompanha o processo judicial aberto pelo proprietário de terra contra a demarcação feita pela instituição e complementa informando que continuará prestando assessoria e acompanhamento jurídico, “confiando na decisão em favor dos indígenas, no sentido de reconhecimento e da reafirmação do povo guarany-kaiwá às suas terras de ocupação tradicional”.



sexta-feira, 26 de outubro de 2012

JOÃO AMORIM - Trash




Veja os melhores atores do mundo em interpretações inesquecíveis!







terça-feira, 23 de outubro de 2012

CAPRICHO 1059


O Vestibular está chegando e vai ser aquele horror! 
Mas ele seria bem mais fácil se ele fosse um...

VESTIBULAR DA VIDA ADOLESCENTE


1. Literatura

O personagem Harry Potter é famoso porque...

a) Apareceu pelado numa peça de teatro.
b) Bate nos colegas quando é chamado de trouxa.
c) É um jovem bruxo destinado a ser o maior de todos os feiticeiros.

2. Geografia

A praia fica na...

a) Perna.
b) Cabeça
c) Costa.

3. Matemática

Você vai no MacDonald’s e dá uma nota de R$ 20,00 por uma refeição que custa R$ 12,49. Quanto sobra para você?

a) Nada, tive que devolver o troco para minha mãe.
b) R$ 5,00, porque o atendente me deu o troco errado.
c) R$ 7,50, porque eles nunca tem moeda de um centavo.

4. História

Quem anda de história com quem?

a) Não sei, não gosto de fofoca.
b) Eu sei, mas eu jurei que não contava.
c) Ah, é a Camila e o Léo, mas parece que já andaram brigando.

5. Português

O que há de errado nesta frase?
 “I q xaaatuuu vi u muleke da minha mió miguxa cum otra”

a) Não sei, não entendi nada! Quem escreveu isso?
b) Nada, tá super bem escrita! Queria poder escrever bem assim.
c) Não é a frase que está errada, é a pessoa que escreveu isso. Pega e joga num buraco bem fundo!

6. Biologia

Fabi ficou grávida porque...

a) É muito galinha!
b) Deus quis!
c) Não usou camisinha!

7. Filosofia

Complete a frase do filósofo alemão Nietzsche:
“Aquilo que não nos mata,.......”

a) engorda.
b) nos torna mais fortes.
c) é porque é ruim de mira.


Jerri Dias adora marcar X no vestibular.


sábado, 20 de outubro de 2012

LUDWIG VAN BEETHOVEN – Trilha Sonora


AMADA IMORTAL (1994) é uma cinebiografia de Beethoven.
A cena final desse trecho do filme tem um das imagens mais poderosas que já vi em um filme


Bem, obviamente Beethoven (1770 – 1827) não foi compositor de trilhas sonoras e sequer passou pela sua cabeça que algo como cinema viria a existir.
Mas considerado por muitos como o maior compositor de música clássica que já pisou nesse planeta esquecido no canto da galáxia, Beethoven ultrapassou os limites do sistema solar há muitos anos, já que a sonda Voyager carrega, entre outras coisas, uma gravação de sua  9ª Sinfonia para que qualquer raça alienígena que a encontre possa saber que a raça humana é primitiva, mas capaz de maravilhas.
E cineastas do mundo todo prestam sua admiração e respeito por Beethoven usando suas composições nas trilhas de seus filmes.



Trecho da Sinfonia 7, Allegretto usada no filme PRESSÁGIO (2009).


Em LARANJA MECÂNICA (1971), a música de Beethoven faz parte da trama em vários momentos, já que o personagem Alex é fanático pelo compositor. Os arranjos eletrônicos feitos por Walter Carlos ficaram datados, mas continuam bons.


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

OS BICHOS NÃO TEM AVESSO - Dança



OS BICHOS NÃO TEM AVESSO é a síntese de um processo de pesquisa em dança das bailarinas Alexandra Castilhos e Luciana Hoppe.

Essa Obra é resultado da residência artística oportunizada pelo Coletivo de dança da Sala 209 da Usina do Gasômetro.

A apresentação será nos dias 20 e 21 de Outubro 
 

Usina do Gasômetro - sala 209 - às 20 h.

Av. Presidente João Goulart, 551 - Porto Alegre

Ingressos: R$ 15,00 geral e R$ 8,00 para classe artística.


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

O GRANDE TUBARÃO BRANCO – Ensaio

  Cartaz do filme com maior número de espectadores no Brasil até hoje.
Quase 13 milhões de brasileiros foram aos cinemas.


Eu tinha 8 anos de idade quando assisti meu primeiro filme proibido para menores de 18 anos. Era 1976, Ditadura Militar e a censura era severa no cinema. As salas de cinema respeitavam e tinham mais medo de quebrar a lei e por isso mesmo não sei como minha mãe conseguiu colocar eu e meus irmãos menores, de 7 e 5 anos respectivamente, no cinema para ver um filme onde um tubarão branco perseguia e devorava pessoas em um tranquilo balneário americano.É, TUBARÃO de Steven Spielberg me traumatizou e me marcou para o resto da vida.

Mas ao mesmo tempo em que até hoje eu entro no mar achando que um tubarão vai aparecer do nada e me devorar vivo, eu desenvolvi um fascínio e uma grande paixão por esse animal que já singra pelos oceanos há 400 milhões de anos.


Com uma mordida com pressão 5 vezes superior à humana e com um grande ângulo de abertura, 
o Tubarão Branco consegue abocanhar até 14 kgs de carne de uma só vez.


O Tubarão Branco entretanto, como dita a evolução, é mais recente e seus fósseis mais antigos datam do meio do período Mioceno, 16 milhões de anos atrás. Muitos biólogos marinhos e paleontologistas acreditam que ele é da mesma família do Charcarodon Megalodon, um tubarão pré-histórico que podia atingir até 20 metros de comprimento e 50 toneladas de peso. Mas esse parentesco está em debate desde 1995. O Tubarão Branco atual tem registros de tamanho entre 4,5 m e 7 m, sendo que as fêmeas costumam ser em média 1 metro maior do que os machos da mesma idade. Seu peso também varia entre 1,5 e 3 toneladas.

Aliás, Carcharodon Carcharias, o nome científico do Tubarão Branco, foi das primeiras palavras gregas que aprendi na vida, assim que quis saber tudo sobre esse gigante após ter visto o filme. Carcharodon significa “Dente Afiado” e Carcharias denomina o tipo de animal, no caso, tubarão. O Tubarão Branco é a última espécie de seu gênero que existe no planeta e por isso sua preservação é extremamente importante para o ecossistema marítimo.


Quando vistos do fundo, um homem em uma prancha pode facilmente ser confundido 
com um golfinho por um Grande Branco. Esse surfista teve sorte.


Apesar do filme TUBARÃO ser uma grande obra cinematográfica, ele disseminou a falsa idéia de que tubarões brancos são comedores de homens e nada poderia estar mais distante da verdade. Casos isolados de predadores que adquirem preferência por carne humana são raros e o filme TUBARÃO foi baseado no caso isolado de diversos ataques a banhistas que aconteceram em New Jersey, EUA durante alguns meses no ano de 1916. No geral, tubarões brancos só atacam humanos quando os confundem com leões marinhos, focas ou elefantes marinhos. E quando na dúvida, eles tiram apenas uma “amostra” da presa. O problema é que para um grande tubarão branco, uma amostra pode significar metade da perna ou do braço de uma pessoa. Ainda assim, apenas 10% dos ataques desses enormes animais são fatais aos humanos. E as chances de escapar sempre aumentam se a pessoa estiver acompanhada e lutar bastante, pois os tubarões não estão acostumados a enfrentar resistência de suas presas e costumam deixá-las de lado quando isso acontece. Um dos motivos para tubarões brancos não gostarem de comer humanos é porque eles preferem mamíferos com mais carne e gordura como focas e leões marinhos, enquanto que humanos, além de terem mais músculos que gordura, também tem ossos mais grossos e duros do que os que o Grande Branco está acostumado a digerir.

Quando atacam elefantes marinhos, que são animais grandes e que podem desferir uma mordida bastante incômoda, o tubarão branco costuma arrancar a parte traseira do animal, o que o impede de fugir e o faz sangrar até a morte, quando só então ele se aproxima e o leva para comer no fundo.



Ao redor das ilhas da Nova Zelândia, centenas de Tubarões Brancos se reúnem todos os anos em clãs para caçar leões marinhos que chegam para procriar e ter seus filhotes. 
É o único lugar do mundo onde os tubarões saltam até 3 m de altura para fora da água.
Na foto, um flagrante do exato momento em que um Grande Branco captura sua presa. 


Apesar de ser um predador alfa (topo da cadeia alimentar), o tubarão branco não é páreo para uma Orca que seja do mesmo tamanho. E para seu azar, Orcas costumam atingir até 10 m de comprimento. Por isso tubarões brancos costumam evitar caçar na mesma zona das orcas, que também se alimentam dos mesmos mamíferos marinhos. Em um combate documentado, uma orca atacou um grande branco colocando-o em imobilidade tônica, um recurso que até então achava-se que era apenas do conhecimento de humanos: que se você colocar um tubarão ou arraia (que também pertence a família dos tubarões) de ponta cabeça ou de barriga para cima eles entram em um estado de paralisia completa e se ficarem nessa posição por muitos minutos, eles não conseguem respirar e se afogam. E foi o que a orca fez: abocanhou o tubarão pelo pescoço, o virou de barriga para cima e esperou por 15 minutos até ele se afogar. Então, arrancou seu fígado e o devorou. O fígado é a maior fonte de proteínas e energia do corpo de um animal, por isso a preferência. 

Veja aqui o ataque: ORCA ATACA TUBARÃO


Se não se sentirem ameaçados, estiverem alimentados e não confundirem um humano com um leão marinho, o Grande Branco não se importa muito com mergulhadores.



Como super predadores, os tubarões brancos, ao contrário de serem máquinas descerebradas de matar, são bastante inteligentes e curiosos. Ao encontrar com mergulhadores que não tenham medo deles ou mesmo os desafiem de alguma forma, eles se tornam cautelosos e evitam contato. Mitos como evitar se debater para não atrair a atenção de um tubarão são apenas meia-verdade, pois tubarões em geral podem sentir cheiro de sangue a kms de distância dentro da água e mesmo que você fique completamente imóvel e não esteja sangrando, ele capta o campo elétrico gerado pelas batidas do seu coração graças a sensores especializados na ponta do focinho. É isso que o permite caçar presas menores à noite ou em águas turvas e a grandes profundidades. Apesar de serem animais que preferem caçar mais próximos a superfície, exemplares já foram detectados em profundezas de 1.200 metros.

Mais uma prova de sua inteligência é o fato de caçarem leões marinhos em clãs de 5 ou 6 espécimes, obedecendo uma hierarquia onde os maiores prevalecem. O que em geral, são fêmeas. Apesar de já serem estudados há algumas décadas, pouco ainda se sabe de seu comportamento e até hoje nunca o nascimento de um filhote foi documentado, apesar de fêmeas grávidas já terem sido examinadas. Os tubarões são ovovíparos, ou seja, os ovos eclodem dentro da mãe e os pequenos tubarões continuam crescendo dentro dela. E os mais agressivos devoram seus irmãos ainda dentro do útero materno. Isso sim é acabar com a concorrência.


No Brasil, ocorrências e ataques de Tubarão Branco passaram a acontecer após a ampliação do Porto de Suape, no Pernambuco, que desequilibrou o ecossistema local e fez os tubarões e outros peixes passarem a caçar em zonas frequentadas por banhistas e surfistas.


Como todo animal no planeta, e especialmente um que ocupa um lugar tão importante na cadeia alimentar e no ecossistema marítimo em geral, já que ele está presente em todos os oceanos do mundo, o Grande Tubarão Branco é um animal que não precisa ser apenas respeitado por sua força, beleza ou por ser o último do seu gênero, mas pelo simples fato de ser uma criatura viva como nós e que tem direito a viver da forma como a natureza o criou.

E no link abaixo você, que está pensando em fazer grandes coisas da sua vida, pode se voluntariar para ajudar a proteger os Grande Tubarões Brancos e outros animais em perigo de extinção.

Estude e trabalhe no exterior como voluntário.

E depois de ler tudo isso, nada melhor que mergulhar de cabeça em um documentário sobre esse belo e poderoso animal.

sábado, 13 de outubro de 2012

BLOOD: UMA HISTÓRIA DE SANGUE - Comics



Com belas ilustrações a nanquim e aquarela que misturam desde impressionismo até arte contemporânea, o ilustrador Kent Williams aproveita a liberdade onírica e poética do texto de J. M. DeMatteis para explorar sua arte aos limites da arte seqüencial. Sem se importar com o que o leitor vai pensar de sua obra, DeMateiss e Williams simplesmente escreveram e pintaram o que lhes dava prazer. Uma publicação rara e inédita de uma editora do porte da MARVEL.
Com ilustrações adultas e sofisticadas e um texto complexo e hermético em muitos momentos, BLOOD pode ser considerado uma verdadeira graphic novel de autor, onde o nascimento, vida e morte de um vampiro é narrado em um tom tão alucinatório quanto angustiante.



Clique para ampliar.


Compre aqui.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

CAPRICHO 1058



Mulher-Churrasco: Famosa por todo mundo querer pegar naquela carne.



Eu acho que anda faltando mais famosidades instantâneas e sem sentido na mídia. Que tal mais...

MULHERES-GÊNEROS-ALIMENTÍCIOS!


MULHER-BARRA DE CEREAL: Famosa por ter muita energia.

MULHER-LINGÜIÇA: Famosa por ser travesti.

MULHER-TOMATE: Famosa por estar sempre naqueles dias.

MULHER-XUXU: Famosa por dançar em qualquer lugar.

MULHER-MAÇÃ: Famosa por induzir os fãs ao pecado.

MULHER-ALHO: Famosa por ter um bafo pavoroso.

MULHER-UVA: Famosa por ter os cabelos cacheados.

MULHER-CEBOLA: Famosa por fazer os fãs chorarem por ela.

MULHER-CENOURA: Famosa porque sua beleza faz bem para os olhos masculinos.

MULHER-ESPINAFRE: Famosa porque gosta do desenho do Popeye.

MULHER-BRÓCOLIS: Famosa porque ninguém gosta dela.

MULHER-OVO: Famosa porque é casca-grossa por fora, mas por dentro tem coração mole.

MULHER-PEIXE: Famosa porque não toma muito banho.

MULHER-PORCA: Famosa porque enfia o dedo no nariz, peida e arrota em público.

MULHER-PEPINO: Famosa porque é a maior encrenca.

MULHER-GALINHA: Famosa por ficar com qualquer um.

MULHER-FEIJÃO: Famosa porque demora para ficar pronta.

MULHER-BATATA FRITA: Famosa porque todo mundo gosta.

MULHER-BIG MAC: Famosa por ser obesa.

MULHER-LAGOSTA: Famosa por cobrar muito caro para se apresentar.

MULHER-SUSHI: Famosa por só aparecer vestida com folhinhas de alga.

MULHER-SOBREMESA: Famosa porque só chega depois que todo mundo já comeu.


Jerri Dias é Homem-Caviar porque só aprecia quem tem bom gosto.

sábado, 6 de outubro de 2012

HUMOR



"Eu não costumo me apaixonar, mas quando acontece eu não tenho a menor chance com ela."

 Então, eu virei um Lorde Sith. As vadias adoram Lordes Sith.


 Eu não vou ficar calmo e você que vá se fuder!




Clique para ampliar.


quarta-feira, 3 de outubro de 2012

TARANTINO'S MIND - curta




Excelente curta nacional com Selton Mello e Seu Jorge brincando com a mitologia criada por Quentin Tarantino em seus filmes.
Direção e roteiro coletivo da 300 ML.