segunda-feira, 15 de outubro de 2012

O GRANDE TUBARÃO BRANCO – Ensaio

  Cartaz do filme com maior número de espectadores no Brasil até hoje.
Quase 13 milhões de brasileiros foram aos cinemas.


Eu tinha 8 anos de idade quando assisti meu primeiro filme proibido para menores de 18 anos. Era 1976, Ditadura Militar e a censura era severa no cinema. As salas de cinema respeitavam e tinham mais medo de quebrar a lei e por isso mesmo não sei como minha mãe conseguiu colocar eu e meus irmãos menores, de 7 e 5 anos respectivamente, no cinema para ver um filme onde um tubarão branco perseguia e devorava pessoas em um tranquilo balneário americano.É, TUBARÃO de Steven Spielberg me traumatizou e me marcou para o resto da vida.

Mas ao mesmo tempo em que até hoje eu entro no mar achando que um tubarão vai aparecer do nada e me devorar vivo, eu desenvolvi um fascínio e uma grande paixão por esse animal que já singra pelos oceanos há 400 milhões de anos.


Com uma mordida com pressão 5 vezes superior à humana e com um grande ângulo de abertura, 
o Tubarão Branco consegue abocanhar até 14 kgs de carne de uma só vez.


O Tubarão Branco entretanto, como dita a evolução, é mais recente e seus fósseis mais antigos datam do meio do período Mioceno, 16 milhões de anos atrás. Muitos biólogos marinhos e paleontologistas acreditam que ele é da mesma família do Charcarodon Megalodon, um tubarão pré-histórico que podia atingir até 20 metros de comprimento e 50 toneladas de peso. Mas esse parentesco está em debate desde 1995. O Tubarão Branco atual tem registros de tamanho entre 4,5 m e 7 m, sendo que as fêmeas costumam ser em média 1 metro maior do que os machos da mesma idade. Seu peso também varia entre 1,5 e 3 toneladas.

Aliás, Carcharodon Carcharias, o nome científico do Tubarão Branco, foi das primeiras palavras gregas que aprendi na vida, assim que quis saber tudo sobre esse gigante após ter visto o filme. Carcharodon significa “Dente Afiado” e Carcharias denomina o tipo de animal, no caso, tubarão. O Tubarão Branco é a última espécie de seu gênero que existe no planeta e por isso sua preservação é extremamente importante para o ecossistema marítimo.


Quando vistos do fundo, um homem em uma prancha pode facilmente ser confundido 
com um golfinho por um Grande Branco. Esse surfista teve sorte.


Apesar do filme TUBARÃO ser uma grande obra cinematográfica, ele disseminou a falsa idéia de que tubarões brancos são comedores de homens e nada poderia estar mais distante da verdade. Casos isolados de predadores que adquirem preferência por carne humana são raros e o filme TUBARÃO foi baseado no caso isolado de diversos ataques a banhistas que aconteceram em New Jersey, EUA durante alguns meses no ano de 1916. No geral, tubarões brancos só atacam humanos quando os confundem com leões marinhos, focas ou elefantes marinhos. E quando na dúvida, eles tiram apenas uma “amostra” da presa. O problema é que para um grande tubarão branco, uma amostra pode significar metade da perna ou do braço de uma pessoa. Ainda assim, apenas 10% dos ataques desses enormes animais são fatais aos humanos. E as chances de escapar sempre aumentam se a pessoa estiver acompanhada e lutar bastante, pois os tubarões não estão acostumados a enfrentar resistência de suas presas e costumam deixá-las de lado quando isso acontece. Um dos motivos para tubarões brancos não gostarem de comer humanos é porque eles preferem mamíferos com mais carne e gordura como focas e leões marinhos, enquanto que humanos, além de terem mais músculos que gordura, também tem ossos mais grossos e duros do que os que o Grande Branco está acostumado a digerir.

Quando atacam elefantes marinhos, que são animais grandes e que podem desferir uma mordida bastante incômoda, o tubarão branco costuma arrancar a parte traseira do animal, o que o impede de fugir e o faz sangrar até a morte, quando só então ele se aproxima e o leva para comer no fundo.



Ao redor das ilhas da Nova Zelândia, centenas de Tubarões Brancos se reúnem todos os anos em clãs para caçar leões marinhos que chegam para procriar e ter seus filhotes. 
É o único lugar do mundo onde os tubarões saltam até 3 m de altura para fora da água.
Na foto, um flagrante do exato momento em que um Grande Branco captura sua presa. 


Apesar de ser um predador alfa (topo da cadeia alimentar), o tubarão branco não é páreo para uma Orca que seja do mesmo tamanho. E para seu azar, Orcas costumam atingir até 10 m de comprimento. Por isso tubarões brancos costumam evitar caçar na mesma zona das orcas, que também se alimentam dos mesmos mamíferos marinhos. Em um combate documentado, uma orca atacou um grande branco colocando-o em imobilidade tônica, um recurso que até então achava-se que era apenas do conhecimento de humanos: que se você colocar um tubarão ou arraia (que também pertence a família dos tubarões) de ponta cabeça ou de barriga para cima eles entram em um estado de paralisia completa e se ficarem nessa posição por muitos minutos, eles não conseguem respirar e se afogam. E foi o que a orca fez: abocanhou o tubarão pelo pescoço, o virou de barriga para cima e esperou por 15 minutos até ele se afogar. Então, arrancou seu fígado e o devorou. O fígado é a maior fonte de proteínas e energia do corpo de um animal, por isso a preferência. 

Veja aqui o ataque: ORCA ATACA TUBARÃO


Se não se sentirem ameaçados, estiverem alimentados e não confundirem um humano com um leão marinho, o Grande Branco não se importa muito com mergulhadores.



Como super predadores, os tubarões brancos, ao contrário de serem máquinas descerebradas de matar, são bastante inteligentes e curiosos. Ao encontrar com mergulhadores que não tenham medo deles ou mesmo os desafiem de alguma forma, eles se tornam cautelosos e evitam contato. Mitos como evitar se debater para não atrair a atenção de um tubarão são apenas meia-verdade, pois tubarões em geral podem sentir cheiro de sangue a kms de distância dentro da água e mesmo que você fique completamente imóvel e não esteja sangrando, ele capta o campo elétrico gerado pelas batidas do seu coração graças a sensores especializados na ponta do focinho. É isso que o permite caçar presas menores à noite ou em águas turvas e a grandes profundidades. Apesar de serem animais que preferem caçar mais próximos a superfície, exemplares já foram detectados em profundezas de 1.200 metros.

Mais uma prova de sua inteligência é o fato de caçarem leões marinhos em clãs de 5 ou 6 espécimes, obedecendo uma hierarquia onde os maiores prevalecem. O que em geral, são fêmeas. Apesar de já serem estudados há algumas décadas, pouco ainda se sabe de seu comportamento e até hoje nunca o nascimento de um filhote foi documentado, apesar de fêmeas grávidas já terem sido examinadas. Os tubarões são ovovíparos, ou seja, os ovos eclodem dentro da mãe e os pequenos tubarões continuam crescendo dentro dela. E os mais agressivos devoram seus irmãos ainda dentro do útero materno. Isso sim é acabar com a concorrência.


No Brasil, ocorrências e ataques de Tubarão Branco passaram a acontecer após a ampliação do Porto de Suape, no Pernambuco, que desequilibrou o ecossistema local e fez os tubarões e outros peixes passarem a caçar em zonas frequentadas por banhistas e surfistas.


Como todo animal no planeta, e especialmente um que ocupa um lugar tão importante na cadeia alimentar e no ecossistema marítimo em geral, já que ele está presente em todos os oceanos do mundo, o Grande Tubarão Branco é um animal que não precisa ser apenas respeitado por sua força, beleza ou por ser o último do seu gênero, mas pelo simples fato de ser uma criatura viva como nós e que tem direito a viver da forma como a natureza o criou.

E no link abaixo você, que está pensando em fazer grandes coisas da sua vida, pode se voluntariar para ajudar a proteger os Grande Tubarões Brancos e outros animais em perigo de extinção.

Estude e trabalhe no exterior como voluntário.

E depois de ler tudo isso, nada melhor que mergulhar de cabeça em um documentário sobre esse belo e poderoso animal.

2 comentários:

KINHA disse...

Olá Jerri

Vim agradecer e retribuir a sua visita, obrigada.
Vc colocou, em seu comentário a questão da obesidade dos americanos. Realmente é alarmante o número de obesos por aqui. Hoje, como vivo aqui alguns meses por ano posso lhe responder:
Ocorre que a grande maioria deste povo não cozinha em casa. Normalmente saem cedo e vão tomar café no Dunking Donuts ou outra rede de fast food. Ao meio dia, como não costumam almoçar, comem um grande sandwich. No jantar, as 6 da tarde, aí sim eles realmente comem e depois vão dormir. Quando estou aqui vivo em um condomínio, onde a maioria da população é idosa, mas tanto jovens ou velhos não caminhão, adam de carro dentro do condomínio. Parece de caminhar aqui, é como estar sem roupa já que eles vestem o carro.
Meu marido e eu cozinhamos e só compramos alimentos com baixo teor de potássio já este é uma das causas da obesidade por muitos produtos terem excesso desta substância.
Acredite ou não, nós até emagrecemos, pois fazemos hidroginástica diariamente e quando não é possível devido aos ventos do outono, já bem mais fresco, fazemos caminhadas pelo condo.

www.amigadamoda1.com

Anna - Eu Crio Moda disse...

Eu sou suspeita pra comentar, pois eu morro de medo de tubarões graças a um filme, não foi esse filme, mas teve um que me traumatizou muito quando criança. MAs entendo a importância deles para o meio ambiente, pois cada criatura tem a sua função :)