sábado, 29 de janeiro de 2011

CAPRICHO - Edição Desconhecida




BOATOS QUE A GENTE GOSTARIA QUE FOSSEM VERDADE!


“A BANDA JOTA QUEST FOI ABDUZIDA POR UM DISCO-VOADOR E SEUS MEMBROS FORAM SUBMETIDOS A EXAMES HUMILHANTES PELOS EXTRATERRESTRES!”

“PARA COMBATER A PIRATARIA DE CDS, AS GRAVADORAS DECIDIRAM PASSAR A COBRAR O VALOR REAL DOS CDS DE MÚSICA, OU SEJA, DEZ REAIS!”

“MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESTUDA NOVO CALENDÁRIO ESCOLAR, CUJO ANO LETIVO SERIA DE ABRIL À OUTUBRO!”

“DIRETORA DE ESCOLA PARTICULAR É FLAGRADA FUMANDO MACONHA COM TRÊS PROFESSORAS!”

“CIENTISTAS ANUNCIAM A CRIAÇÃO DE UMA BACTÉRIA GENETICAMENTE MODIFICADA QUE DEVORA GORDURA DO CORPO!”

“A ERA DAS MODELOS COM SILHUETA DE CABO DE VASSOURA CHEGA AO FIM: O HYPE AGORA É SER NORMAL!”

“ASTRÓLOGOS ADMITEM QUE UM PLANETA A MAIS OU A MENOS NO SISTEMA SOLAR NÃO FAZ DIFERENÇA ALGUMA EM SEU MAPA ASTRAL, POIS AFINAL, É TUDO INVENTADO MESMO...”

“FELIPE DYLON DECIDE FAZER CONCURSO EM PROGRAMA DE TV PARA ARRANJAR NAMORADA!”

“A REDE GLOBO E A TELEVISA VÃO REALIZAR UM CROSS-OVER ENTRE MALHAÇÃO E REBELDE, ONDE AS DUAS TURMAS SE ENCONTRAM, SE PEGAM NO PAU E DEPOIS SE UNEM PARA ESPANCAR UM INIMIGO COMUM, A FLORIBELLA!”

“O COLUNISTA METIDO A ENGRAÇADINHO JERRI DIAS PASSARÁ A OCUPAR UMA CADEIRA NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS AO LADO DO EX-PRESIDENTE METIDO A ESCRITOR JOSÉ SARNEY E DO ESCRITOR METIDO A MAGO PAULO COELHO!”


Jerri Dias já foi processado por espalhar boatos pela Internet.


ENQUANTO ISSO...

E se Harry Potter caísse na boca da mídia?

E um novo post com Happy Trree Friends lá no blog da Capricho.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

MALCOLM IN THE MIDDLE – Série de TV

A loucura é genética? Descubra em MALCOLM!

Gostaria de ver uma série dos SIMPSONS live-action (com atores de verdade)? Caso você não saiba, ela existiu e aqui no Brasil se chamava apenas MALCOLM.
Exibida nos EUA entre 2000 e 2006 pelo canal FOX, a série foi exibida pelo mesmo canal brasileiro praticamente no mesmo período.

MALCOLM era uma série cômica, que diferente das usuais sitcoms, não era filmada em frente a um auditório e pelo mesmo motivo, não havia risadas acompanhando cada piada. Filmada como uma série dramática, a série era livre para brincar com a câmera como quisesse e a característica da série que mais se destaca é a quebra da 4ª Parede. Ou seja, Malcom fala com o espectador, dando sua opinião sobre os fatos ou na maior parte do tempo, simplesmente reclamando de tudo.

Vídeoclip da abertura da série




Filho do meio de uma família completamente louca e disfuncional, Malcolm (Frankie Muniz) é um menino super-dotado extremamente narcisista, ególatra e com problemas de baixa auto-estima. Confuso como todo adolescente, ele ora quer ser normal, ora quer ser melhor do que os outros.

Mas o resto da família, que numa hora dessas, deveria ajudar, só piora as coisas:

O pai, Hal (Bryan Cranston), é um tanto efeminado e submisso à sua esposa, pela qual é completamente tarado.
A mãe, Lois (Jane Kaczmarek), é uma bomba relógio autoritária sempre explodindo de raiva por causa dos 4 filhos, que morrem de medo dela.
Francis (Christopher Masterson), o filho mais velho é enviado para uma escola militar para aprender disciplina, mas tudo o que ele faz é implantar o caos na escola sempre que tem chance.
Reese ( Justin Berfield) , dois anos mais velho que Malcom, é o valentão da escola que bate em todos e só livra a cara do irmão. Mas em casa, quando não estão executando um plano absurdo, os dois quebram o pau sem parar. O que Malcolm tem de inteligência, Reese tem de burrice.
Dewey (Erik Per Sullivan), é o menor de todos e o saco de pancadas dos outros três e tido como o mais burro da família. Por necessidade, ele acaba se tornando o mais ardiloso e malandro de todos para se dar bem nesta família de loucos.
Jamie (James e Lukas Rodriguez) é um bebê interpretado por gêmeos que entra na 5ª temporada para complicar o que já não podia ser mais complicado.


Comportados para a foto, um segundo depois estavam se matando.

Além deles, claro, existem diversos personagens coadjuvantes extremamente engraçados e patéticos e alguns atores famosos até dão o ar da sua graça ao longo da série.

Nos EUA, a série estreou com 23 milhões de espectadores e encerrou sua carreira com 7,4 milhões. A queda da audiência teve a ver com mudança de horários e talvez o público tenha tido uma certa dificuldade em acompanhar uma série nonsense como Malcolm, onde existem episódios no qual Hal conversa com vários pequenos Hals em seu quarto, no qual Reese vira líder de uma matilha de vira-latas ou aquele em que Malcom é torturado por sua avó malvada.

Para quem gosta de comédia de verdade, MALCOLM é uma das 10 melhores séries do gênero que você vai ter oportunidade de ver na vida. Imperdível!

Cena




A série, infelizmente não passa mais na TV, não está a venda e nem tem nas locadoras, mas na comunidade do Orkut dá-se um jeito.

Malcolm in the Middle

domingo, 23 de janeiro de 2011

JULIAN ASSANGE – Entrevista



Se você esteve em outro planeta nos últimos meses, talvez não tenha ouvido ou lido sobre Julian Assange, jornalista e ciberativista criador e líder do WikiLeaks, uma organização transnacional sem fins lucrativos que agrega jornalistas voluntários do mundo inteiro que pesquisa e verifica informações sigilosas e segredos de empresas e países fornecidos à eles por hackers que penetram nos computadores dos governos ou mesmo por funcionários e políticos descontentes com o que seus empregadores ou governos fazem.

De posse dos documentos, o WikiLeaks os divulga na internet para que todos possam ver todo o absurdo que é feita na calada da noite por empresas e governos.

Todos os informantes permanecem anônimos e ninguém no WikiLeaks sabem que são eles.

Através de suas informações, o WikiLeaks já modificou leis, eleições e denunciou diversas atividades ilegais, corruptas e assassinas de diversas empresas e governos ao redor do mundo.

Por isso tudo, vários governos em empresas tentam fechar o WikiLeaks e processar e prender Julian Assange.

Quase conseguiram quando, recentemente, Assange foi preso por transar com duas mulheres sem o uso de preservativo. Na Suécia, isso pode ser considerado estupro. As duas acusaram Assange de não querer usar o preservativo e de que eles as forçou a fazerem sexo com ele.

Até onde eu sei de estupros, a maioria deles é feita por um ou mais homens atacando uma mulher e não um homem atacando duas mulheres, afinal, pelo que se falou, a outra estava completamente livre no apartamento enquanto Assange estava com sua amiga. Se era um estupro de verdade, porque ela não fugiu, gritou ou nocauteou Assange com algum objeto pesado?! Suecas não são ensinadas a serem criaturas frágeis...

No site Women Against Rape (Mulheres Contra o Estupro) um artigo comenta a rapidez com que prenderam Assange após a denúncia, enquanto demais estupradores cujo paradeiro é conhecido tem sua prisão abreviada graças a burocracia e descaso policial.

Bem, não coloco minha mão no fogo por ninguém atualmente, mas os serviços secretos de qualquer governo sempre usaram o sexo para enganar, roubar, desacreditar ou mesmo matar quem eles achassem necessário e não me surpreenderia se essas duas tiverem sido pagas para fazer essas acusações.

E enquanto Julian Assange esteve preso, o governo americano o queria deportado para seu país por ter liberado no WikiLeaks imagens de helicópteros americanos massacrando pessoas (incluindo jornalistas e crianças) desarmadas em ruas de Bagdá. É possível ouvir comentários dos soldados fazendo piada e rindo.




Esse é um mundo podre!

Ei, ciberativistas e hackers do Brasil, que tal fazerem um WikiLeaks aqui?

Esta merda tem que acabar!

Mais sobre o Wikileaks aqui.

sábado, 22 de janeiro de 2011

AS PIORES COISAS QUE JÁ ME ACONTECERAM NOS ÚLTIMOS CARNAVAIS! - Humor



Pois é, o Carnaval é muito legal, mas também pode ser uma droga. Aqui estão...

AS PIORES COISAS QUE JÁ ME ACONTECERAM NOS ÚLTIMOS CARNAVAIS!

1. Levei a minha namorada para o baile de Carnaval e ela me trocou por um bando de foliões sarados!

2. Saí fantasiado de mulher e quando vi, estava num bloco gay!

3. Saiu matéria sobre o baile gay e a maior foto da matéria era eu abraçado com vários travestis!

4. A Taís Araújo puxou papo comigo num camarote e eu não reconheci ela de tão bebum que eu estava!

5. Vomitei no colo da Taís Araújo!

6. Participei de um concurso de fantasias em um baile e ganhei o troféu “Nada a Ver” do júri oficial e popular!

7. Derrubei a cerveja de um cara que era traficante e fui jurado de morte!

8. Consegui o telefone de uma modelo da Ford Models e quando cheguei em casa o papel tinha virado farinha de tão suada que ficaram minhas roupas!

9. Fui proibido de entrar por dois anos no melhor clube da cidade!

10. Estava seguindo um trio elétrico e tinha tanta gente que tive que fazer o nº1 e o nº 2 nas calças. Mas depois do nº 2, o pessoal liberou um pouco ao meu redor!

11. No auge da loucura e da caipirinha quente, fiquei amassando a minha namorada, que não parava de me empurrar e me dar tapas, até que veio a minha namorada de verdade e perguntou o que eu estava fazendo com a irmã dela!

12. Quebrei o pé praticando passos de samba uma semana antes do Carnaval!

13. De pé quebrado, meus amigos me ligavam todo dia para me zoar e contar o que tinha rolado durante as noites de Carnaval!


Jerri Dias passa o ano pedindo desculpas pelo que fez no Carnaval.


Publicado na Capricho 1012.


domingo, 16 de janeiro de 2011

MEMNOCH - crítica

Capa da edição nacional.


Sinopse

O vampiro Lestat é perseguido por um demônio, que acaba revelando-se nada menos do que Lúcifer (sob o nome de Memnoch) em pessoa, que pede a ele que se junte em sua batalha contra Deus.

A autora

Anne Rice nasceu em uma família católica irlandesa e foi educada de acordo até que rompeu com a Igreja e se tornou ateísta. Muitos anos depois, voltou a ser católica apostólica romana e devido a inúmeros atritos ideológicos e humanistas (direitos dos homossexuais, movimentos pró-escolha, etc), recentemente rompeu com a Igreja, passando a acreditar apenas em sua visão pessoal do Cristo. Em 1976 publicou ENTREVISTA COM O VAMPIRO, que só teria uma continuação em 1985, com o lançamento de O VAMPIRO LESTAT, livro que acabou ressuscitando mais uma vampiromania entre aficcionados pelo tema no mundo inteiro. A partir daí, escreveu mais 8 livros dentro da coleção CRÔNICAS VAMPIRESCAS e mais 2 na coleção NOVOS CONTOS DE VAMPIROS, totalizando 12 livros abrangendo as aventuras de Louis, Lestat e diversos outros vampiros que interagem com os dois primeiros. Lestat acabou se tornando o mais famoso deles entre os leitores e ele é o narrador/protagonista de 5 volumes e o coadjuvante principal em ENTREVISTA COM O VAMPIRO.


Anne Rice costuma usar modelitos góticos...

O livro

Depois de quase ser morto por Louis e Claudia, provocar a ira da comunidade dos vampiros por revelar sua existência à humanidade através de livros como esse, enfrentar Akasha, a primeira e mais antiga vampira e ser obrigado a viver em um corpo mortal nos quatro livros precedentes, Lestat finalmente encara a maior aventura de sua vida: o próprio demônio.

Mas o demônio, que aqui prefere não ser chamado de Satã ou Lúcifer, mas sim Memnoch, não está atrás de Lestat pelos seus pecados como vampiro, mas sim por querer que ele o ajude em sua batalha contra Deus. Seus motivos? Bem, Lestat é o vampiro mais poderoso da Terra, como também é o mais curioso, inconseqüente e amoral de todos. Talvez por isso Memnoch o tenta com uma viagem ao Paraíso, ao Inferno e ao passado remoto para que ele possa conhecer seu ponto de vista e decidir se ele quer ou não ser seu braço direito.


Capa da edição americana.
Na época de sua publicação, 1995, este seria o último livro de Lestat, mas ele acabaria voltando 8 anos depois em CÂNTICO DE SANGUE (2003).

Para quem leu os volumes anteriores da saga de Lestat e Louis, fica explícito o interesse da autora em confrontar seus vampiros com a religião. Afinal, antes de serem vampiros, eles eram mortais cristãos que acreditavam em Deus acima de todas as coisas (estamos falando de homens dos séculos XVII e XVIII) e que subitamente, se vêem transformados em monstros sedentos de sangue.

Esse confronto entre ser um “demônio” e ter fé em Deus, em O VAMPIRO LESTAT, faz com que os vampiros de Paris do se´culo XVII vivam em meio aos esgotos, já que se sentem como as criaturas mais vis e baixas dentro da sua fé cristã. É Lestat que chega aos imundos vampiros parisienses elegantemente vestido e lhes diz que não há Deus nem força divina alguma para castigá-los, já que ele sempre viveu do bom e do melhor, matando pessoas tanto por pura lascívia quanto por sede.

E assim, o universo dos personagens de vivem em um mundo, onde, obviamente, se existem vampiros, também existem seres sobrenaturais como espíritos, bruxas e outras criaturas. Entretanto, até este volume, nunca vampiro algum havia se deparado com Satã (Memnoch), supostamente o mestre de todas as criaturas sobrenaturais maléficas que vivem sob a Terra.


Em ENTREVISTA COM O VAMPIRO (1994) de Neil Jordan, Tom Cruise foi o cruel e debochado Lestat.
Anne Rice diz que sempre imaginou Robert Downey Jr. como Lestat.

Contrariando as expectativas cristãs de Lestat, Memnoch não veio reclamar sua alma ou algo do tipo. Veio sim, para pedir sua ajuda e quase todo o livro é ocupado pela sua narrativa onde ele demonstra que é o antagonista de Deus, mas nunca seu inimigo e muito menos o Mal.

Anne Rice opta por utilizar o significado original da palavra Satã para tecer a personalidade e ações de Memnoch, que siginificam tanto “acusador” quanto “adversário”. E é isso que Memnoch faz o tempo inteiro durante sua relação com seu Deus, que ignora os sofrimentos da humanidade e vê os humanos como iguais a quaisquer dos animais que habitam o mundo.

Memnoch, então, trava uma batalha quase perdida com um Deus teimoso em tentar fazê-lo perceber que os homens tem almas que podem ser equiparadas às dos anjos e merecem seu lugar no Paraíso ao invés de permanecerem em um limbo que contém várias camadas espirituais, onde habitam desde os espíritos mais pérfidos e ignorantes aos mais sábios e bondosos.

Anne Rice já foi católica, ateísta, católica novamente e agora, rompida com a Igreja, diz apenas acreditar em Cristo. Bem, suas crenças transparecem explicitamente nesse livro, junto com a personagem feminina principal, Dora, uma pregadora religiosa independente cheia de fé e que tem a habilidade de ver seres sobrenaturais.


Em A RAINHA DOS CONDENADOS (2002) de Michael Rymer, Lestat é vivido pelo mediano Stuart Townsend. O filme, fraco, adapta sem sucesso os volumes O VAMPIRO LESTAT e A RAINHA DOS CONDENADOS.
Cerca de 1.000 páginas em um filme de 101 minutos.

Lestat, junto com Memnoch, atravessará várias épocas citadas na Bíblia e inclusive encontrará duas vezes com Cristo (Deus encarnado). Agora, o que Lestat faz quando encontra com um Jesus ensanguentado carregando sua cruz, vou deixar em suspenso... Mas esse encontro terá consequências importantes no futuro religioso da humanidade.

Para quem conhece e acredita na teologia judaico-cristã, MEMNOCH é um deleite narrativo que certamente vai fortalecer sua fé, mesmo com tanta ficção ao seu redor. Já para que se interessa por religião e religiosidade, MEMNOCH é um livro divertido e instigante em seus conceitos, embora, como sempre aconteça em narrativas que tentam vender Deus e o Diabo como seres reais, ela falha miseravelmente quando tenta explicar o universo, já que no trecho em que Memnoch fala da criação de todo o universo e diz ter visto todos os planetas e estrelas serem criados, ele cita apenas a Terra como o único mundo que viu ser habitado, mesmo tendo passados bilhões de anos pelo universo antes de ver a vida surgir em nosso planeta. Ignorar propositalmente certas teorias científicas amplamente aceitas enquanto abraça outras só para não “melar” sua narrativa judaico-cristã-vampiresca é uma atitude um tanto malandra da autora e ela não precisava fazer isso.

No final, ambíguo, cabe ao leitor decidir quem venceu: Lestat, Memnoch ou Deus?

Trecho

Memnoch narra a Lestat de quando foi expulso do Paraíso:

— "Estou sendo brando com você", disse Ele.
— "É, estais mesmo, mas estais errado; e também nisso estais equivocado, pois preferis ouvir os hinos em Vosso louvor repetidos infinitamente para sempre. E Senhor, essas almas poderiam vir a Vós e cantar esses hinos. "
— "Eu não preciso dos hinos, Memnoch", disse Ele.
— "Então, por que cantamos?"
— "Você, de todos os meus anjos, é o único que me acusa! Que não confia em mim. Ora, essas almas que você trouxe do Sheol confiam em mim de uma forma que você não confia! Foi esse o critério que você usou para selecioná-las! O fato de elas confiarem na Sabedoria de Deus. "
— Não pude me calar.
— "Aprendi algo quando era de carne e osso, Senhor, algo que sustentou tudo o que eu havia suspeitado antes e que confirma tudo o que vi desde então. O que posso fazer, Senhor? Contar-Vos mentiras? Pronunciar com minha língua falsidades descaradas? Senhor, na humanidade, criastes algo que nem Vós compreendeis plenamente! Não pode haver outra explicação, pois, se houver, não existe Natureza e não existe nenhuma Lei. "
— "Desapareça da minha presença, Memnoch. Desça à Terra, afaste-se de mim e não se intrometa com Nada, está me entendendo?"
— "Ponde à prova o que eu disse, Senhor. Tornai-Vos de carne e osso como eu. Vós podeis fazer qualquer coisa, envolvei-Vos em carne... "
— "Silêncio, Memnoch. "
— "Ou se não ousardes fazer isso, se for indigno que o Criador compreenda sua Criação em cada célula, então fazei com que se calem os hinos dos Anjos e dos Homens! Calai-os, já que afirmais não precisar deles. E então observai o que Vossa Criação significa para Vós!"
— "Eu o expulso, Memnoch!", proclamou Ele, e num instante todo o Paraíso ressurgiu à minha volta, todo o bene ha elohim e com ele os milhões de almas salvas. E Miguel e Rafael estavam parados diante de mim, olhando com horror enquanto eu era empurrado para trás, para fora dos portões e para dentro do turbilhão.
— "Sois impiedoso com Vossas Criações, meu Senhor!", vociferei tão alto
quanto pude para me fazer ouvir em meio ao alarido dos cantos angustiados. "Aqueles homens e mulheres criados à Vossa própria imagem têm razão de desprezar-Vos, pois para nove décimos deles teria sido melhor não ter nascido nunca!"

Quer Comprar?

Novo: clique nas promoções dos banners do Submarino ao lado. Dá para encontrar mais barato que nos sebos.

Usado.


Bônus

A RAINHA DOS CONDENADOS - Vídeo clip



A única coisa boa que resultou do do filme é esse clip do KORN, que não apela usando cenas do filme e cria sua narrativa própria usando Lestat como personagem do vídeo.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

FONTE DA VIDA (The Fountain, 2006) - Trailer



Este terceiro filme de Darren Aronofsky, depois de RÉQUIEM PARA UM SONHO (2000) e PI (1998) coroou seu talento, brilhantismo e originalidade em tratar temas tão humanos quanto fantásticos.

Fracasso de bilheteria no mundo inteiro, este filme comprova mais uma vez que quando grandes cineastas realizam filmes que não se pagam, isso geralmente significa uma obra-prima que poucos conseguem apreciar.

Na narrativa que abrange três períodos temporais no espaço de 1.000 anos, o filme fala, entre outras coisas, sobre nosso medo da morte e o desafio de aceitar o fim de tudo.

Com uma trilha melancólica e inspirada de Clint Mansell e um Desenho de Produção circular de James Chinlund, Aronofsky realizou o que, para mim, foi o melhor filme de 2006.



ENQUANTO ISSO...

1.100 Seguidores! Sempre grato pela preferência :-)

domingo, 9 de janeiro de 2011

CAPRICHO - Edição Desconhecida


É, as aulas acabaram e você passou por um triz, mas você ainda pode ser dar mal se não prestar atenção nessa lista de...

DOZE COISAS QUE VOCÊ DEVE EVITAR FAZER NAS FÉRIAS!

1. Ficar de recuperação em dezembro. Imagine você ser a única menina junto com um bando de meninos burros na sala?!

2. Ter namorado na praia. Namorado na praia é igual levar um sanduíche de alface em rodízio de pizza!

3. Ficar com o namorado da melhor amiga. Espere para quando as aulas voltarem, que aí vocês podem ficar se amassando enquanto ela está na aula!

4. Usar salto alto em balada na areia da praia. É, eu sei que você já sabe disso, mas tem sempre uma que não se liga!

5. Subir com suas 4 amigas em uma rede. Tem sempre alguém com uma câmera de vídeo para filmar a rede arrebentando e depois mandar para o Faustão!

6. Ficar na cidade. Todos os seus amigos se vão e só fica aquele chato-mala-nerd-feio que dói que é apaixonado por você e ficou para te fazer companhia!

7. Entrar na água. Ou você não notou que tem saída de esgoto direto para o mar por toda a praia?!

8. Ir a qualquer show do Jota Quest. É, eu sei que tá cheio de garoto lindo por lá, mas acredite, se eles estão lá, é porquê não tem nada na cabeça!

9. Usar biquíni. Por dois motivos: um, ninguém mandou levar seu namorado mala e agora ele só deixa você sair de maiô! Dois, o maiô ajuda a segurar a barrigona!

10. Emprestar a CAPRICHO para a amiga que acabou de conhecer a praia. Ela nunca mais vai devolver!

11. Fingir que se afoga para o salva-vidas gatão te trazer de volta nos braços dele, pois enquanto você distraía ele, uma pessoa se afogou de verdade!

12. Beber e entrar na água. Você pode passar mal e fazer porquinho na água na frente do gatinho que você está a fim e eu já tinha avisado para não entrar na água por causa do esgoto!


Jerri Dias fica deitado durante as férias e só se alimenta com o que alcança com a mão.


sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

SOBRE AS DROGAS - Ensaio

Dizer não porque, cara-pálida?
Só porque não?!
Típico poster de campanha vagabunda estilo lavagem cerebral.
Não explica nada, só proíbe!

Costuma-se dizer que tudo que é proibido é mais gostoso.
Há milhares de anos as drogas (álcool e tabaco incluídos) são usadas e hoje em dia, sociedades indígenas primitivas ainda as utilizam para entrar em contato com espíritos da Natureza, ancestrais, deuses ou simplesmente abrir portas nas mentes dos homens.

A nossa sociedade dita civilizada, em algum momento entre os séculos XIX e XX, determinou que isso era coisa de bárbaros, gente pobre e inculta (leia-se pessoas não brancas). Mas não deixaram de notar que seria impossível manter as pessoas afastadas de todas as drogas e por isso permitiram que o álcool e o tabaco (drogas que as classes dominantes sempre apreciaram) fossem liberados para satisfazer e controlar o desejo da população por drogas.

Mas não foi uma medida completamente eficaz, já que nas sociedades tribais (de onde todos viemos) drogas geralmente eram utilizadas e controladas somente pelos mais velho e sábios, que a distribuíam para seu povo em rituais e festividades, ou seja, o povo também precisava ter acesso à drogas mais poderosas do que o álcool e a nicotina.


Sociedade hipócrita que quer proibir drogas e fuma e bebe na frente de crianças e adolescentes.


E o que era usado antigamente um costume social controlado, passou a ser proibido e traficado sem controle ou conhecimento algum, quase sempre recorrendo-se à corrupção ou a violência.

Em geral são os adolescentes e jovens adultos, com a cabeça cheia de meias-verdades e meias-mentiras sobre as drogas, é que acabam descobrindo que seus pais mentem quando dizem que a droga é uma coisa horrível e ruim. O raciocínio que os jovens acabam aplicando as drogas pode até ser o mesmo que ao sexo. Quando os pais dizem que eles não devem fazer sexo, tomar cuidado ou em alguns casos mais radicais, tentam proibir, e o jovem descobre que sexo é bom, a conclusão que ele tira disso é que os pais mentiram ou na melhor das hipóteses, omitiram. O mesmo acaba se dando com a droga, que na maioria dos casos, traz muito prazer ao usuário, o que leva o jovem, que não considera o perigo do vício e a propagação do tráfico e da violência, itens que podem vir junto com esse prazer, assim como uma gravidez indesejada ou DSTs podem vir de sexo descuidado. Mas a conclusão do jovem acaba sendo a mesma: mais uma vez seus pais mentiram ou omitiram fatos sobre a droga, ou seja, não se pode confiar nos adultos.

A conclusão na cabeça da maioria dos novos usuários de drogas acaba sendo a seguinte: a droga, assim, como o sexo, é boa. Se fosse ruim como falam, ninguém usaria.


Quase 90% de todas as notas que circulam nos grandes centros urbanos dos EUA contém traços de cocaína.


O problema de qualquer droga, assim como no álcool ou tabaco, está na quantidade.

Pesquisas comprovam que em relação ao cigarro de maconha, mais de 90% dos usuários a utilizam apenas para fins recreativos em reuniões sociais. Para a cocaína, a média ficou em 65%.
Todos sabem que a cocaína tem um poder de vício maior do que a maconha. De qualquer forma, enquanto o usuário não fizer de qualquer droga um prazer solitário, as chances dele se tornar um viciado são pequenas. Um sinal básico de que o usuário começa a perder o controle sobre a droga é quando precisa utilizá-la sozinho, acabando com sua característica social. Como 99% dos fumantes...

Acredito piamente que a legalização das drogas acabaria em poucas semanas ou meses com toda a corrupção e a violência gerada pelo tráfico. A legalização geraria centenas de milhões em impostos (U$ 300 bilhões por ano é o que gera o tráfico no mundo todo) que poderiam ser aplicados na saúde (claro, uma parte seria desviada pela corrupção endêmica do país) que poderiam ser usados para curar viciados. Alguém pode achar que usar esse dinheiro justamente para tratar viciados é um absurdo, mas o governo taxa as bebidas e o cigarro e utiliza justamente parte desse dinheiro no tratamento de alcoólatras e tratamentos de câncer decorrentes do uso do cigarro. Ou seja, em termos de compromisso com a saúde, não mudaria nada.


Este gráfico honesto mostra o poder de vício e letalidade de cada droga.


Hospitais e farmácias venderiam as drogas limpas (sem misturas perigosas feitas pelos traficantes), que seriam menos prejudiciais e viriam com bulas informativas, advertindo seus usuários de todos os efeitos colaterais possíveis. As TVs abertas finalmente poderiam falar toda a verdade sobre as drogas, mostrando os dois lados da moeda, sem precisar fazer sensacionalismo e nem ser acusada de fazer apologia das mesmas.

Os usuários, principalmente os recreacionais, não precisariam mais se sentir como marginais e nem ser tratados como tal pela polícia e pela sociedade.

E os governos mundiais deixariam de manter a indústria fracassada da guerra contra as drogas, que custa só aos cofres públicos americanos, U$ 50 bilhões ao ano.

Se a guerra as drogas fosse uma iniciativa privada, a empresa responsável teria pedido falência no primeiro ano de funcionamento, visto que ela teria apresentando um balanço bastante negativo em relação ao investimento feito. Agora, imagine que isso vem acontecendo há décadas. É dinheiro que bastaria para acabar com a fome no mundo inteiro, mas por algum motivo osbscuro, os políticos acham que é melhor usar esse dinheiro todo em armamentos e em campanhas fajutas para tentar manter o coitadinho do povo afastado das drogas. Agora você me diz... algum dia isso deu certo?

É fato indiscutível que as pessoas consomem novos tipos de drogas a cada dia que passa e o modo como quase todos os governos do planeta estão tratando disso há um século não está funcionando.
Na verdade, nunca funcionou. O fiasco da “Lei Seca” nos Estados Unidos provou isso, mas todo mundo ainda faz vista grossa com relação ao fracasso da guerra contra as drogas, embora isso tenha sido admitido recentemente pela ONU em uma conferência internacional sobre o assunto.


Em um país corrupto, injusto e mal-governado como o Brasil, prender traficantes como Fernadinho Beira-Mar é tapar o Sol com uma peneira.

A “Lei Seca” ocorreu entre 1920 e 1933, quando bebidas alcoólicas passaram a ser ilegais. Isso deu origem a milhares de bares clandestinos que não pagavam impostos, tráfico de bebidas e claro, muita corrupção e violência, que antes inexistia por causa da bebida. Al Capone, um dos gângsters mais famosos dos EUA, não teria existido se não fosse pela “Lei Seca”. Fora as milhares de mortes causadas pela violência, estima-se que 10.000 americanos morreram simplesmente por consumirem bebida estragada, já que não havia controle sanitário algum sobre as destilarias clandestinas.

Isso prova que o povo, independente se for proibida ou não, sente necessidade de drogas de qualquer tipo. E o governo e as classes dominantes, que são sempre as que decidem pela proibição disso ou daquilo, geralmente são as que mais desrespeitam a lei.

Então, torço para que um dia nossa sociedade deixe de ser hipócrita e mentirosa e tome uma direção diferente em relação ao modo como tratamos as drogas e os usuários.
Voltar aos tempos tribais é impossível para nós agora, mas certamente há alternativas viáveis que não precisem levar a cultos como o do Santo Daime.


Depois de décadas, finalmente uma campanha com alguma informação verdadeira, mas que ainda assim coloca a culpa no consumidor e não no sistema político que permite o tráfico atráves da proibição..


Eu, particularmente, não consumo drogas, incluindo aí o álcool e o tabaco, pois sei que meu maior patrimônio é minha saúde e principalmente, meus neurônios. E desde crainça acredito no ideal grego de "Mente sã, corpo são". Para não dizer que estou mentindo, eu até bebo alguma coisa, mas o que eu bebo em um ano, é o equivalente que um homem da minha idade bebe em um happy hour com os amigos.

E apesar disso soar um tanto conspiratório, acredito que qualquer droga utilizada na sociedade ocidental sem um propósito educacional, científico, místico ou filosófico, serve apenas para entorpecer a mente da população e das pessoas para que elas deixem de pensar em seus problemas, nos outros e na sociedade em geral. Para mim, nada é mais patético (ou engraçado) do que ver gente alcoolizada ou drogada tentando filosofar sobre seus problemas e os do mundo. E não poderia deixar de mencionar que é entre os 15 e os 25 anos que alguns de nós temos energia e garra para tentar, mesmo que minimamente, mudar o mundo. E é justamente nessa faixa de idade que a maioria mais se afunda nas drogas. E na maioria das vezes, as drogas são justamente aquela fuga temporária dos problemas que continuam sem ser resolvidos e podem ser ainda mais agravados se o usuário acabar viciado. E assim nada se resolve, nada se faz e tudo fica do jeito como está há milhares de anos. Ou seja, do jeito que eles querem.

Quando não fazemos parte da solução, quase sempre acabamos como parte do problema.


Quer saber mais?

Tudo o que você sempre quis saber sobre a Maconha e mais ainda. Excelente matéria da Superinteressante.


ENQUANTO ISSO...

Descubra os horrores que os astros te reservam nessas férias. Coluna inédita no site da CAPRICHO.

E confira um divertido curta sobre o que aconteceria se os filmes do anos 80 e 90 tivessem celulares. Lá no meu blog no site da CAPRICHO.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

I GOTTA FEELING - Comédia




Paródia do pessoal do College Humor do clip do Black Eyed Peas! Hilária!


250.000 VISITAS!

Gente, isso é ¼ de 1 milhão! Meu ano já começou bem...

domingo, 2 de janeiro de 2011

CAPRICHO 1011

Essa é Kimberley Vlaminck, uma adolescente belga que fez cagada.

Na volta das férias, aquele professor chato sempre pede uma redação. Acabe com essa mania dele com essas...

REDAÇÕES CHOCANTES!

“Minhas Férias Inesquecíveis: Como Deixei de ser Virgem!”
por Maria Sem-Vergonha

“O Monstro Marinho: Meu Namorado Surfista Perdeu a Perna na Boca de um Tubarão!”
por Liana Surfistinha

“A Coceira: Como meu Irmão Passou Piolho pra toda a Família!”
por Camila Medusa

“Marcada para Sempre: A Tatoo Proibida”
por Rosa Tatuada

“A Fúria de Iemanjá: O Dia em que quase Morri Afogada!”
por Márcia Mareada

“Dieta Forçada: Seis Dias Perdida na Floresta com um Guia Turístico Burro!”
por Daniele Magérrima

“A Pior Coisa da Vida: Repetir de Ano!”
por Flávia Deprimida

“A Lenda da Anorexia: Não Como Nada fazem 10 Dias e ainda estou Viva!”
por Adriane Suicida

“Orkut: A Minha Comunidade Depredadores de Escola é o Maior Sucesso!”
por Bruna Arruaceria

“O Milagre da Vida: Porquê Usar Camisinha!”
por Gabriela Barriguda

“O Perigo das Drogas: O Dia em que meus Pais me Pegaram Fumando Maconha!”
por Maria Joana

“Choque Cultural: Nunca Conte Piada de Argentino na Argentina!”
por Patrícia Mico

“Indecisão: Com qual dos Pais Morar?”
por Helena Traumatizada

“Adrenalina: Estou Namorando um Traficante do Morro!”
por Naína Rebelde

“Segredo: Estou apaixonado por você, professor!”
Bruno Enrustido

Jerri Dias odeia escrever.