sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

YANTO LAITANO – Vídeoclip



Quando Yanto Laitano fez a trilha sonora do meu curta A VINGANÇA DE KALI GARA, em 1999, ele disse que eu ficaria devendo um clip para ele. Depois de algumas tentativas que não deram certo, finalmente a produtora Estação Elétrica deu o apoio necessário para a realização do clip “Meu Amor”, canção do CD HORIZONTES E PRECIPÍCIOS, que Yanto lançou em agosto deste ano.

Escrevi o roteiro, o bonequeiro Tcheli fez as marionetes e os cenários, assumi a direção e passamos dois dias divertidos gravando no estúdio e no parque da Redenção, em Porto Alegre.

E se curtir a música do Yanto, pode escutar mais canções no Myspace dele.

E também ler uma entrevista com ele aqui no blog.


ENQUANTO ISSO...

Que o ano que vem deixemos de ser preguiçosos e lutemos mais pelos nossos sonhos!
Porque no final das contas, é só isso que faz a diferença.

Abraço!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

CAPRICHO 1010

As mulheres vão acabar Rainhas do Rock!

É, as mulheres estão cada vez mais mandando ver na política, nos negócios, nos esportes... Agora, imagine só, se elas um dia conseguissem...

DOMINAR O MUNDO!

1. Para começar, quase não haveriam mais guerras, porque nenhuma mãe deixaria seus filhos irem morrer no campo de batalha, só aquelas congressistas solteironas que ficaram para titia e só ficaram com homem galinha durante a vida inteira!

2. Que Copa do Mundo o quê?! O Campeonato Mundial de Vôlei feminino é que vai parar o país!

3. Ao invés de só erguerem prédios cinzas e marrons como acontece hoje, a paisagem urbana começaria a ser tomada por prédios pink, estampados e violetas!

4. No cinema e na TV, os atores teriam que mostrar o bumbum muito mais do que as atrizes, o que criaria aumento de emprego para depiladoras de bundas cabeludas!

5. As mulheres finalmente seriam mais bem pagas do que os homens para fazer o mesmo trabalho, já que elas são mais organizadas, responsáveis e centradas, a não ser quando estão de TPM, o que faz com que o escritório vire um caos total!

6. Como as peças femininas vão passar a ser desenhadas por estilistas mulheres e não por gays que odeiam mulheres só porquê eles não são uma, as roupas para mulheres finalmente vão ficar na medida certa e mais baratas que a dos homens, porquê, afinal, um terno tem muito mais tecido do que um vestidinho qualquer, mas o vestidinho sempre custa o dobro do preço!

7. Os homens vão ficar mais em casa, cuidando dos filhos, lavando a louça, limpando a casa e depois, ao invés de olhar novela, vão jogar vídeo-game!

8. As cientistas descobririam rapidinho vários novos tipos de anticoncepcionais masculinos para eles não terem mais só a desculpa do “esqueci a camisinha, mas não dá nada”!

9. Os homens é que começariam a correr atrás da balança e das academias, porque as mulheres finalmente perceberiam que todos aqueles filmes, comerciais e revistas de seja-bonita-magra-e-gostosa-senão-aquela-loira-pega-ele foram todos criados por homens e começariam a aplicar a mesma lavagem cerebral no sexo masculino!

10. Mas como nem tudo são flores e bordados no Mundo das Mulheres, a maioria dos meninos vai querer ser “como a mamãe” e por isso, vão acabar virando homossexuais, causando uma escassez terrível de homens heterossexuais, o que culminará, inevitavelmente, na extinção da raça humana!

Jerri Dias prefere que as mulheres decidam... o que vão fazer para o almoço!


ENQUANTO ISSO...


Dar Carne à Memória I - CATCH - Foto de Marina Camargo


E os espétáculos DAR CARNE A MEMÓRIA I e II, que produzi durante todo o ano de 2010, ganhou três troféus e prêmios em dinheiro no PRÊMIO AÇORIANOS 2010 DE DANÇA!

Os prêmios foram:


MELHOR ESPETÁCULO DE DANÇA (Dar Carne à Memória II)

MELHOR COREOGRAFIA (Eva Schul - Dar Carne à Memória II)
MELHOR PRODUÇÃO (Jerri Dias - Dar Carne à Memória I e II)


DAR CARNE À MEMÓRIA II - CAIXA DE ILUSÕES - Foto de Lícia Arosteguy


terça-feira, 21 de dezembro de 2010

BATMAN BEGINS (EUA, 2005) – crítica

Cartaz do filme dá o tom trágico do herói.
Clique nas imagens para ampliá-las.

O Diretor

Christopher Nolan é um diretor britânico nascido em 1970. Aos 30 anos, mudou-se para os Unidos, onde realizou AMNÉSIA (Memento, 2000), filme independente de baixo orçamento (3 milhões) que se tornou imediatamente um cult e o colocou no radar de Hollywood como um diretor original e criativo.


No set de BATMAN BEGINS.

Sinopse


Bruce Wayne, após sofrer um grande perda na sua infância, decide combater o crime como Batman.

O Filme

Com um orçamento de 150 milhões de dólares, Nolan, que até o momento só havia dirigido filmes que privilegiavam mais o lado psicológico do que físico de seus personagens, fica responsável por uma das maiores franquias de super-heróis de cinema: o Batman.

Mais um belo cartaz que reproduz a atmosfera do filme.

Com milhões de fãs tendo como base os dois filmes de Tim Burton e principalmente o já clássico curta DEAD END, Nolan não tinha apenas a responsabilidade financeira, mas também artística de fazer algo que fosse superior em termos estéticos e psicológicos em relação às obras citadas.

Para quem conhecia o estilo de Nolan, já se sabia que se poderia esperar uma boa direção de atores, uma caprichada direção de arte e uma boa dose de realismo. Fugindo do estilo Burton de criar cenários propositalmente artificiais, Nolan decide recriar uma Gotham City mais realista usando como base a cidade de Chicago, uma cidade industrial e portanto, com cores mais escuras.

Tons pastéis dominam o cenário.
Design de Produção de Nathan Crowley.


Além de construir algumas quadras e vários andares de prédios dentro de um estúdio na Inglaterra, Nolan optou por usar o mínimo possível de CGI (Computer Graphic Image), pois como muitos de nós, ele estava saturado de ver filmes abusarem desse tipo de efeito sem realmente convencer ninguém. Ele basicamente resolveu seguir a fórmula do primeiro SUPERMAN de Richard Donner e aplicar verossimilhança a sua visão do Batman. E nada faz isso melhor do que o mundo real. Assim, locações reais na Islândia, Chicago, Inglaterra e outros locais foram utilizados para trazer o mundo real para dentro do universo do Cavaleiro das Trevas.

Para dar mais credibilidade ainda ao seu Batman, Nolan chamou os mais diversos especialistas para criar o figurino e o arsenal de equipamentos que o herói usaria. Assim, praticamente tudo o que ele usa no filme, foi adaptado de equipamentos que já existem hoje em dia.


A capa de Batman é uma asa delta em miniatura.
Esta sequência foi inspirada no minisérie BATMAN - ANO UM.

Com isso e um elenco muito bem escalado, Nolan realizou um filme de origem dando ênfase em como uma pessoa com recursos poderia, em nível mental, físico e social, vir a se tornar um combatente do crime.

O filme inicia mostrando o jovem Bruce Wayne (Christian Bale) numa prisão no Tibet ocupado pela China, em sua tentativa de entender o mundo dos criminosos e como eles pensam. Encontrado por Ducard (Liam Neeson), ele é convencido a se juntar a legião de Ra’s Al Ghul (Ken Watanabe) e aprender os segredos do milenar Ninjutsu. Nos gibis, Al Ghul é um dos maiores oponentes de Batman, visto que ambos são bilionários que usam de sua fortuna para fazer justiça. A diferença é que Al Ghul atua em escala global (da mesma forma que um governo intervencionista) e Batman não compactua com seus métodos cruéis.


Ducard (Liam Nesson) não é quem parece ser...

Neste primeiro ato, temos então, a origem e a formação da persona do Batman. No segundo ato, Batman finalmente abre suas asas sobre Gotham e uma reviravolta bem urdida na trama traz personagens do primeiro ato de volta ao cenário.

Alguns poucos defeitos do filme são referentes a determinadas caracterizações dos atores, que deixaram sue personagens caricaturais. Tom Wilkinson, um grande ator dramático, não convence como um chefe da máfia e diferente de seus colegas, ele parece mais ser um personagem de gibi do que de carne e osso. A decisão de Bale em tornar a voz de Batman gutural e raivosa funciona apenas com frases curtas, porém, quando ele tem que falar durante algum tempo, soa forçada e até mesmo ridícula em alguns momentos. Mas tudo isso é perdoável diante de tantos acertos, especialmente falando de Michal Caine como Alfred e Morgan Freeman como Lucius Fox, atores veteranos que tem os diálogos mais inteligentes, sarcáticos e engraçados do filme.


Christian Bale, diferente de Michael Keaton, realmente convence como Bruce Wayne/Batman.

Apesar de não ser uma obra-prima como seu sucessor, BATMAN BEGINS planta as raízes para ele, especialmente ao final, quando o Tenente Gordon (Gay Oldman, excelente como sempre) menciona o conceito de “escalada”, exemplificando que o fato de Gotham agora ter um herói mascarado mais poderoso do que a própria polícia faz surgir criminosos mais violentos e loucos do que os anteriores. E lhe entrega uma evidência disso: uma carta de baralho, o Coringa.

Tendo arrecadado 372 milhões no cinemas e mais 400 milhões no mercado de DVD, BATMAN BEGINS é um ótimo filme de aventura por si só e entra para a lista do 10 melhores filmes de super-heróis já feitos até agora.


Em uma Gotham corrupta e decadente, Batman é o que resta entre a luz e as trevas.


Trailer




Paródia MTV MOVIE AWARDS




Boa sessão.

domingo, 12 de dezembro de 2010

FRANKO B - Performance




Franko B é um performer multimídia quer ficou famoso por auto-mutilar-se em várias de suas performances. Não é o tipo de performance que acho das mais criativas ou geniais, mas mostra até que ponto alguns artistas vão para apresentar algo diferente ou original para o público.

O primeiro vídeo é um clip de sua exposição em um museu, onde ele felizmente revela seus outros talentos para escultura, pintura, instalações e música. Razoavelmente comportado.

Já o segundo vídeo é uma performance radical chamada “I Miss You” (Sinto Falta de Você) onde o artista representa a dor do amor e da morte desse amor atravessando nú uma passarela, enquanto sangra por cortes auto-inflingidos. A música de Diamanda Galas é de arrepiar.

Não recomendável para menores de 18 anos.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

CAPRICHO - Edição desconhecida


Como as novelas de hoje estão deixando as pessoas super-conscientizadas, resolvi dar a maior força para deixar as...

NOVELAS ULTRA-POLITICAMENTE CORRETAS!

1. Quando um personagem ficar tetraplégico por causa de um acidente e não poder mais jogar tênis, o irmão dele vai se jogar escada abaixo e quebrar a coluna cervical, para poder jogar de igual para igual com o irmão, ou seja, segurando as raquetes com a boca! Os espectadores vão achar tudo muito fraterno e as seções de traumatologia dos hospitais vão ficar cheios de jovens que vão fazer o mesmo por familiares tetraplégicos!

2. Se a personagem tem uma filha com síndrome de Down e é super-feliz com ela, as outras amigas dela tem que ficar com inveja e engravidar e tomar remédios estranhos para que seus filhos também nasçam com um cromossomo a mais. As espectadoras vão achar a personagem um amor e sair por aí fazendo caretas que nem a Regina Duarte e dizendo que ter filho com síndrome de Down é melhor que ter filho com os cromossomos corretos!

3. Quando um dos personagens for gago, todo mundo que falar com ele, deve gaguejar também, para mostrar solidariedade e que totalmente entende o problema dele! Os espectadores vão adorar, e gaguejar vai virar mania entre os jovens!

4. O rapaz de 20 anos se engraça com a velha de 40 anos e todo mundo tem que achar eles super-maduros e bem resolvidos e a irmã de 30 anos do rapaz começa a sair com um menino de 15 anos. Os espectadores vão começar a achar super-normal os filhos e filhas trazerem namorados 20 anos mais velhos ou mais novos do que eles para dormirem casa!

5. O casal de garotos gays se ama muito, mas não pode ficar junto por preconceito da sociedade. Mas vendo o sofrimento dos dois, os pais de ambos decidem virar homossexuais também, para mostrar que eles não estão sozinhos nessa luta. Os espectadores vão odiar, xingar os atores na rua e o ibope da novela vai despencar, pois o público admite tudo em novela, menos viadagem!

Jerri Dias vai escrever a próxima novela das oito, AMOR &PRECONCEITO.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

A3 QUADRINHOS – Comics

Capa.
Clique na imagens para ampliá-las.

O Projeto

A3 QUADRINHOS é uma revista dedicada a quadrinhos do gênero Fantástico (FC, Fantasia e Horror). Financiada pelo Fundo Municipal de Cultura de Uberlândia/MG e editada por Matheus Moura, a revista é mais uma das inúmeras tentativas de promover o Quadrinho Nacional. Matheus Moura é mais um desses idealistas necessários que, num mercado dominado pelo quadrinho americano, tenta divulgar seu trabalho e o de seus colegas de todo o Brasil.

De acordo com o editorial, a revista só tem dois números financiados, sendo que os restantes, caso vejam as tintas da gráfica, serão financiados por outros meios. A grande maioria das tentativas editorias de se publicar quadrinho exclusivamente brasileiro não dura muitas edições, mas vamos torcer para que A3 não siga o mesmo destino.

Capa do n°2. Já está à venda.

A revista tem 110 páginas de quadrinhos coloridos, PB e meio tom, exibindo uma grande variedade de estilos artísticos de artistas nacionais dos anos 80 ao século XXI, além de narrativas que vão desde homenagens a H. P Lovecraft até ataques de eco-terroristas. Alguns dos ilustradores, como Mateus Santolouco e Walter Pax, já vêm publicando trabalhos no exterior há algum tempo.

Por ser uma revista financiada com dinheiro público, Matheus Moura optou por vender a revista a um preço bem acessível, apenas R$ 3,50.

Se você curte ou quer conhecer uma amostra do Quadrinho Fantástico Nacional, mande um e-mail para: revistaa3@gmail.com ou acesse o blog REVISTA A3 QUADRINHOS
para saber mais sobre o projeto, onde encontrar e sobre o lançamento do número 2, do qual eu participo com a história MÁQUINA FANTASMA, ilustrada por Walter Pax.

MÁQUINA FANTASMA é "Scooby-Doo encontra Exorcista."

A Revista

Como a maioria das revistas do gênero, a A3 QUADRINHOS congrega roteiristas de diversos estilos e gêneros. Alguns com pouco tempo de estrada no ramo, outros há décadas tentando viver o sonho. E é na sua variedade de narrativas e traços que a A3 QUADRINHOS revela sua força e sua fragilidade.

CRASH TEST, a HQ que abre a revista, tem roteiro de Ric Milk e arte de Marcelo Cabral. Não há história propriamente dita, apenas um situação de perseguição à uma andróide. Para quem já viu BLADE RUNNER e o 5º ELEMENTO, ambos com visual baseado nos quadrinhos do francês Moebius (Jean Giraud), fica fácil reconhecer de onde vem todo o visual futurista do traço clean de Cabral. Uma clara homenagem aos filmes citados e a Moebius, uma pena que ela fique apenas nas belas imagens, já que o roteiro é apenas uma mistura de situações dos 2 filmes e com um final incipiente.

Um belo trabalho de cor em CRASH TEST.

Em A PRAGA, uma mulher desperta com seu corpo mutilado e se encontra num porão repleto de gente morta ao estilo do filme OLHOS FAMINTOS. Embora não pareça remeter a nada sobrenatural como o filme, o roteiro de Bruno Bispo com o traço original de Victor Freundt, consegue transmitir o desespero da personagem, que como o leitor, ignora como e porque foi parar em tal situação. As fotos dispostas ao longo da HQ, antes de apenas explicar de forma não-linear de onde veio a personagem, ajuda a humanizá-la, criando no leitor empatia suficiente para que ele se importe com seu destino.

O veterano E. C. Nickel escreve, desenha e pinta KAVAN, onde um astronauta solitário tem sérios problemas cada vez que um dos tripulantes desperta de seu sono criogênico. A narrativa não tem nada que já não tenha sido lido em outras HQs ou filmes e a linguagem visual (disposição dos quadrinhos e enquadramentos) de Nickel se mostra bastante datada. A impressão é de que se está lendo uma HQ do início dos anos 80. Mas isso é um problema comum com muitos artistas. Eles se apegam a um método de contar histórias e ficam presos à ela. Acontece até com estrelas da Marvel e DC. O que se salva é a aplicação competente de cores.

Veteranos marcando presença.

DEUS, de Roberval Coelho, é sobre um guerreiro motivado pela perda do seu amor que empreende uma luta contra tudo e contra todos para matar Deus. Com uma arte estilo super-heróico, mas com traços ainda imaturos, a HQ de Coelho só reproduz clichês de outras histórias sobre Deus e o Diabo. Ela continua na próxima edição, mas do jeito que acaba, nem precisaria.

O OLHO DE CTHULHU inspira-se livremente na mitologia criada pelo escritor H. P. Lovecraft, muito provavelmente o melhor autor de Horror do século XX. Matheus Moura e Walter Pax escrevem um roteiro com personagens demais e situações que não se encaixam muito bem e cujo único elo de ligação são os Antigos. Apesar de não empolgar conter a atmosfera apavorante das obras de Lovecraft, as estranhas e belas ilustrações de Pax reproduzem parte do tom épico da obra do falecido autor.

Os detalhes de Pax são divertidos: um cão gigante.

A história mais politizada e realista da revista é O.R.L.A.: OPERAÇÃO, onde um grupo de eco-terroristas invadem uma laboratório de testes de animais para libertá-los. Nem tudo sai do jeito esperado... Com um roteiro estilo hollywood (no bom sentido) de Matheus Moura, mas com excesso de diálogos (talvez por causa da importância do tema), a HQ consegue prender o interesse do leitor. O traço limpo e dinâmico do ilustrador Caio Majado se ajusta bem a narrativa criada por Moura.

Não é fácil a vida de quem gosta de animais.

BETWEEN THE SHADOWS (Entre as Sombras) é a HQ mais épica e pretensiosa da revista. Por esse motivo é a capa (arte de Mateus Santolouco) da mesma. Com 20 páginas e vários personagens, incluindo um poeta imortal, Satã e um anjo inseridos numa metrópole urbana contemporânea, o roteiro de Nando Alves promete. Vamos esperar que cumpra. A arte precisa e fotográfica de Eduardo Cardenas se ajusta bem a todos os ambientes da história. Uma pena o artificialismo típico de jovens ilustradores em relação a nudez feminina, onde a personagem Sara parece mais estar posando para uma foto do que realizando uma ação real. Mas enfim, isso passa.

Temas adultos em BETWEEN THE SHADOWS.
A HQ de FC, ARMOLITHUS, de Matheus Moura e Rodrigo Lara lembra um pouco as antigas histórias da revista HEAVY METAL, onde soldados em roupas robóticas disparavam raios em alienígenas e transavam com belas mulheres semi-nuas. O cenário psicodélico e bizarro era o que interessava de fato, já que os roteiros nunca faziam muito sentido e o destino dos personagens raramente importava. O mesmo acontece aqui.

Lembrando Heavy Metal...

ZULU é um épico light misturando tribos africanas, reis bíblicos e monstros gregos bem conhecidos e inicia dizendo que essa história ocorre “antes das lendas”. Apesar do contrasenso, a narrativa tem uma pegada SAMURAI JACK que agrada. A boa sacada final do roteirista Gian Danton e a cartunesca e simpática arte de Will, que lembra muito o ilustrador Spacca, fecham a revista com dignidade.

Zulu é o cara!

sábado, 4 de dezembro de 2010

Kyoteizinc / Omodaka - dança




Direção: Hiroshi Kizu

Performer: Masako Yasumoto

Omodaka é o nome de um projeto desenvolvido através de um processo de erro/acerto em fundir música eletrônica e gráficos em movimento.
A excelente performer Masako Yasumoto realiza diversos trabalhos em performance e dança experimental no Japão.
O vídeo tem uma edição e performance ágil, bela e inspiradora.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

CAPRICHO 1009

Era uma vez uma foto fofa da família...

AS COISAS MAIS FOFAS DO MUNDO... ANTES DO DESASTRE!

Deitar no colo do namorado... antes de descobrir que tinha mais duas que também estavam deitando no colo dele!

Passar a mão nos pêlos do gatinho da sua amiga e escutar ele ronronar... antes de ele te passar um monte de pulgas!

O seu travesseiro quando você chega morta da balada... antes do despertador tocar uma hora depois que você deitou porque ninguém mandou você sair em dia que tem aula pela manhã!

O seu ursinho branco gigante de pelúcia.... antes do seu rottweiller brincalhão entrar no seu quarto e arrancar a cabeça e os braços dele!

O casaco de pele de arminho que sua tia rica trouxe da Europa para você... antes de você topar com uns radicais do Greenpeace e eles jogarem tinta vermelha nele!

Aquela bolsa que te custou 170 reais e que tem um coração estampado... antes do ladrão passar a mão e sair correndo!

O pintinho amarelinho que você comprou na feira de animais... antes dele virar um galo garnizé feio e cinza!

Seu vestido branco de debutante... antes de você escorregar na entrada da festa e cair de bunda!

O seu cabelo depois de um super-tratamento no salão de beleza... antes de você pegar a maior ventania ao lado de uma construção onde tem areia voando para todos os lados!

Aquele super-sorvete com uma mega-bola gigante... antes dele escorregar do cone e se espatifar no chão!

A sua coleção de bonequinhos Hello Kitty... antes do seu irmão pequeno pegar todos eles para fazer cirurgias estéticas!

Mascar aquele chiclete ultra-fofo com calda de morango durante anos... antes da broca do dentista ter que esburacar vários dos seus dentes por causa das cáries!

A sua barriga... antes de você adicionar mais 5 quilos de fofura nela!

Jerri Dias está cada dia mais fofinho!



quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

A PRIMEIRA MEMÓRIA – Biografia

Nem pai, nem mãe. TV.


Quando estava produzindo um seminário sobre performance para o grupo Projeto Max, um dos palestrantes, Fernando Bakos, comentou sobre a teoria da “primeira memória”.

Não lembro onde ele leu ou escutou falar sobre isso e não achei no Google (nem mesmo em inglês), mas a teoria é sobre o fato de que nossa primeira memória (o fato ou cena mais antiga de que nos lembramos) geralmente tem algo a ver com o que vamos ser ou fazer na vida adulta. Ou pelo menos, o que gostaríamos de estar fazendo.

Ele falou, então, sobre sua primeira memória e ela realmente tinha a ver com seu trabalho como performer multimídia. Minha ex-esposa também comentou que sua memória mais antiga tinha a ver com o que ela gostava de fazer.

Quanto a mim, o fato mais antigo de que tenho lembrança é de quando eu devia ter 3 anos de idade e lembro de descer uma escada que parecia em espiral em direção ao térreo. Do alto da escada, eu podia ver uma sala vazia e uma TV ligada onde a única imagem era estática. Devia ser bem cedo, pois nos anos 70 muitos canais de TV só começavam sua programação entre 7 e 9 da manhã. É, naquela época as TVs dormiam...

Eu lembro de sentir uma sensação de solidão, pois parecia não haver ninguém por perto, mas não era uma sensação ruim nem boa, eu apenas estava sozinho com a TV fora do ar.

Bom, eu até acho que dá para tirar várias interpretações/conclusões dessa cena, mas as que fazem sentido para mim são duas:

1) Eu gosto de ficar sozinho comigo mesmo, sempre gostei, mesmo tendo um irmão e uma irmã para brincar na infância.

2) A TV fora do ar é um mundo sem imagens e sem histórias e tendo sido ela um elemento chave para o desenvolvimento de meu amor pelo cinema e quadrinhos (através de desenhos animados), acabei voltando minha vida adulta para a criação de narrativas, roteiros e direção, em uma tentativa de preencher a tela vazia com minhas próprias histórias. Não fiz isso toda a vida, claro, e nem sei se voltarei a fazê-lo, mas a vontade está lá, de forma consciente, desde meus 14 anos de idade e continua.


Não sei o quanto dessa teoria pode ser comprovada, pois isso depende de como as pessoas são capazes de analisar suas primeiras memórias em relação ao que elas fazem ou gostariam de fazer em suas vidas.

E mais tarde descobri que 1% da estática que vemos na TV são sinais de rádio da irradiação original da criação do universo. Isso mesmo, o Big Bang passa pelas nossas TVs. Se eu tivesse virado astrônomo, poderia usar esta interpretação.

De qualquer forma, não deixa de se um exercício interessante de memória e auto-conhecimento.

E você, já pensou se sua memória mais antiga tem a ver com o que você gosta ou gostaria de fazer da sua vida? É claro que se você for muito jovem ainda, talvez tenha que esperar alguns anos para descobrir a relação.