quarta-feira, 28 de maio de 2008

HISTÓRIAS EXTRORDINÁRIAS – AS NOIVAS DE RIO PARDO

Histórias Extraordinárias é uma série criada pelo diretor Gilberto Perin e que segue um formato pré-estabelecido onde lendas e casos estranhos do Rio Grande do Sul são recontadas através de entrevistas e reconstituições dramáticas. Mais ou menos como no Linha Direta da Rede Globo. Apesar de não contar com um grande orçamento, a série dá liberdade estética aos roteiristas e diretores para recontar essas lendas da forma que eles mais acharem interessante e dessa forma a maioria dos episódios apresenta uma enorme variedade de estilos e estéticas, sendo uma ótima escola para diretores praticarem e até mesmo, aprenderem com seu ofício.

Desde 2000 no ar, apresentando 8 a 9 episódios ao ano, a série já vai para sua 10ª temporada.

Claro que, como qualquer produção do tipo, nem todos os episódios são realmente bons. Tem sempre aquele chato ou ruim mesmo, mas tem também sempre aquele que é bom e o que é melhor: aquele que surpreende.

Esse curta que eu dirigi conta a história de uma garota que foi proibida de casar com seu primeiro amor e por isso decide fazer uma greve de fome para forçar seu pai a deixá-la casar com seu escolhido.

A história original, baseada em fato real, não tinha nada de sobrenatural, como deveria se esperar, o que fez com que eu e a roteirista Alexandra Dias, com o auxílio do diretor geral da série, Gilberto Perin, tomássemos diversas liberdades criativas com a história, inserindo pesadelos, Nossa Senhora e referências explicitas à Romeu e Julieta. Espero que curtam e comentem. Críticas também são bem-vindas.

Para conferir os episódios das últimas 3 temporadas, clique no link.

Histórias Extraordinárias


E para ver em tela cheia, clique na setinha do painel de controle.


domingo, 25 de maio de 2008

CAPRICHO 925


DICIONÁRIO DOS SONHOS

Calcinha:

Sonhar que ficou só de calcinha na balada revela seu dom premonitório de que um mico se aproxima.

Chuva:

Sonhar que está chovendo homem quer dizer que alguém por perto está escutando It’s Raining Men e você está, tipo, inconscientemente escutando a música. Sério, isso já aconteceu comigo.

Cuca de banana:

Sonhar que está comendo uma cuca de banana revela que você está com síndrome de FUS – Falta Urgente de Sexo.

Ex-namorado:

Sonhar com o ex significa que algum de seus neurônios ainda estão apaixonados por ele.

Gordura:

Sonhar que virou uma baleia quer dizer que não rola comer um Mac-Tudo antes de dormir.

Limão:

Sonhar que você virou um limão revela um desejo inconsciente de comer laranja verde.

Jota Quest:

Primeiro que não é sonho, é pesadelo e simboliza todas as coisas ruins da vida que você tem que dar um jeito.

Morte:

Sonhar com morte quer dizer renascimento, uma nova vida. Pelo menos essa é a mentira que sempre aplicam.

Praia:

A praia simboliza ter ódio da escola, das provas e sua vontade de se livrar disso o quanto antes. Já praia com chuva é o maior programa de índio!

Rodrigo Santoro:

Ficar com o Rodrigo Santoro... Só em sonho mesmo!

Sexo:

Ao contrário do que pensam as mentes sujas, sonhar com sexo revela um desejo singelo de comer cuca com banana.

Jerri Dias tem sonhos recorrentes com cuca de banana

sexta-feira, 23 de maio de 2008

DE VOLTA PARA O FUTURO I, II E III – Crítica

(Back to the Future I, II, III – 1985, 1989, 1990 – Dir. Robert Zemeckis)

Bom, não era essa a minha primeira opção para iniciar minha seção de crítica de filmes “antigos”, mas como revi recentemente essa fabulosa trilogia de Zemeckis, resolvi começar por ela após ter constatado que, enquanto Cinema com C maísculo, a trilogia não envelheceu e continua tão empolgante e dinâmica quanto nos anos 80.

Pra quem não conhece ou não lembra, a trilogia conta a história de Marty McFly (Michael J. Fox), um adolescente americano de 17 anos que tem uma vida normal, pais um tanto fracassados, irmãos chatinhos e só quer namorar, ter um carrão e ser rock star. O que torna a vida de McFly diferente é que ele, não se sabe porquê motivo, é amigo do excêntrico cientista Emmet Brown (Christopher Lloyd), também conhecido por Doc. Chamado para auxiliá-lo em um experimento em plena madrugada, McFly descobre que Doc acaba de inventar a máquina do tempo e a colocou num maneiro DeLorean. A partir daí, McFly embarca em inúmeras aventuras no tempo ao longo dos três filmes que vão de 1885 à 2029, sempre topando com seus pais (nos anos 50), bisavôs (no velho Oeste) e filhos (no futuro) quando eles ainda estão com a mesma idade que a dele, incluindo aí até mesmo um edipiano e muito engraçado flerte entre ele e sua própria mãe.

Primeiro “tour-de-force” de Zemeckis, que antes desse havia feito dois bons filmes, mas de orçamentos bem mais modestos (a comédia de aventura Tudo Por Uma Esmeralda e a comédia A Febre da Juventude). Apesar de ser uma trilogia, De Volta Para o Futuro era para ser apenas um único filme, mas o sucesso do primeiro e o eletrizante gancho final convenceram o produtor Steven Spielberg (ele mesmo!), Zemeckis e o roteirista Bob Galé a retomar a aventura de McFly exatamente do ponto de onde havia acabado.

Em termos de roteiro, a série é um dos melhores exemplos de roteiros inteligentes de ficção-científica sem furos, com macro e micro-tramas muito bem costuradas e resolvidas. Tanto que apesar da ação transcorrer num período de 145 anos, apenas 24 horas se passam na vida presente de McFly. Entre as melhores sequências da trilogia eu destacaria a de quando McFly volta para os anos 50 na Parte II e tem que se esquivar do seu outro eu da Parte I. Parece confuso?! Não é se você realmente prestar atenção no filme. A outra grande sequência é a do seqüestro do trem na Parte III e que toma praticamente os últimos 30 minutos do filme, em uma edição empolgante. Não destaco nenhuma sequência da Parte I por quê simplesmente teria que listar todas.

Agora, eu talvez nem devesse falar isso aqui, mas como o blog é meu e dificilmente vou ter uma oportunidade dessas, dane-se. Mas já vou avisando que esse parágrafo é para nerds absolutos e contém fatos importantes da história. Se você não for nerd nem quiser saber o fim do filme, pule já para o último. Bom, já que você ficou, vamos falar sobre viagens no tempo e mundos paralelos. De acordo com o filme, cada ato no passado realizado por viajantes temporais ao passado traz conseqüências para o futuro, sejam elas benéficas ou maléficas, como pode-se ver ao longo da trilogia. Modificar o passado altera a linha temporal, que resulta num novo presente ou futuro. Dessa forma, o filme mostra a realidade presente de McFly ser alterada 3 vezes. Na original, o pai dele é um fracassado, ele muda o passado e o pai dele vira um bem sucedido escritor no futuro. Biff, o inimigo de McFly, muda o passado e o pai de McFly acaba assassinado. McFly volta ao passado, conserta o estrago e volta a ter um pai bem sucedido. Se aceitarmos essa teoria de Doc e que o filme tenta impor como real, a partir do momento que a máquina do tempo fosse invariavelmente recriada por alguém qualquer no futuro, as linhas temporais viriam a ser alteradas o tempo inteiro e seria o caos. Cientificamente, tal proposição não se sustenta porque o próprio McFly acaba por conseguir sustentar a sua nova e melhorada realidade ao final do filme – onde tem um pai bem sucedido e um carrão. Num universo onde linha temporais pudessem ser alteradas dessa forma, a realidade estariam em constante mudança e isso sim, muito provavelmente causaria uma quebra no contínuo espaço-temporal e destruiria o universo conhecido, como Doc vive apregoando no filme. Então, a minha teoria de nerd é de que, na verdade, a viagem no tempo no caso do filme, é impossível e eles, McFly e Doc, na verdade, viajam para realidades alternativas. Nesse caso, realidade alternativa deve-se entender como mundos paralelos, outras Terras. Embora isso não explique como a realidade alternativa para onde viajem sempre seja uma conseqüência da última, eu consigo aceitar melhor essa teoria do que acreditar que todo um universo desaparece por que um adolescente faz alguma bobagem no passado. Tipo, para onde foram os pais fracassados e os irmãos chatinhos? E o mundo horrível de Biff? Eles nunca existiram? Não eram reais? Esse papo não cola, só em filme com roteiro vagabundo, o que não é o caso. E o que dizer do suposto McFly que havia sido criado pela família bem-sucedida e que agora tem na sua casa esse McFly que durante 17 anos foi criado por uma família fracassada? Quero dizer, ele não tem sequer as lembranças de ser criado nessa nova família completamente diferente da anterior e que ele descartou completamente. Ou desconstruiu, se considerarmos com verdadeira a premissa que ele realmente consegue construir e desconstruir universos pelo mero fato de dar um soco em alguém.

Ficção-científica, comédia e aventura de primeira linha fazem da trilogia De Volta Para o Futuro um clássico para ser visto e revisto para muito além de 2029.

Vejam e depois comentem o que acharam.

Boa diversão.

terça-feira, 20 de maio de 2008

CAPRICHO 924


Depois que a Galera CAPRICHO falou do que cada um mais gostava em si mesmo fisicamente (921, 24/8), fui atrás do outro lado. Os nomes foram trocados, claro...

O QUE TEMOS DE FEIO

• O Jonas disse que odeia seus pés pequenos, totalmente desproporcionais. Seu pé é tamanho 37, mas ele entope o tênis com páginas de jornal para poder calçar uns 42.

• A Nicole tem verrugas nos dedos e vive tratando delas, mas elas sempre reaparecem. Ela vive com as mãos nos bolsos. “E ainda por cima são ásperas”, reclama.

• “Tenho muitas estrias na barriga, já fui gordinha e depois que emagreci fiquei cheia delas”, diz Anita. Ela nunca usa tops...

• A Giulia confessou que tem um furúnculo permanente. Ela acha tão horrível que não diz pra ninguém onde fica. A propósito, ela não quis se sentar durante a entrevista.

• A Rita contou que usa dentadura, porque comia tanto chocolate na infância que seus dentes caíram. Ela só odeia quando a dentadura escapa toda vez que ela ri demais.

• “Tenho um chulé terrível e frieiras”, confessa Gabriel, mostrando os pés. O resto da Galera sai correndo da sala e diz que ele está proibido de tirar o tênis outra vez. “Isso já acabou até com uma transa minha”, desabafou.

• Janaína tem os peitos caídos. Ela diz que, assim que der, vai colocar silicone.

• Já a Kátia tem pêlos demais no corpo e vive se depilando e passando água oxigenada. “Uma vez um menino me chamou de Tony Ramos”, diz ela, debulhando-se em lágrimas.

• Elaine começa a rir do drama da Kátia, mas tapa a boca quando ri. Elaine corre e se tranca no banheiro.

Jerri Dias tem pele sebosa, cravos, espinhas e furúnculos espalhados pelo corpo todo.

sábado, 17 de maio de 2008

CURSO DE GURIAS - Blog Convidado

Esse post inaugura uma nova seção: Blog Convidado. Volta e meia vou convidar um(a) blogueiro(a) para participar deste blog postando um texto que pode tanto ser antigo quanto inédito. Essa seção busca realizar um intercâmbio maior entre os blogueiros(as) e principalmente ajudar a divulgar nossos blogs. Nesse primeiro de muitos vocês poderão conferir o CURSO DE GURIAS, blog da minha esposa Alexandra Dias, que comenta, filosofa, dá dicas e tenta explicar porquê é tudo tão complicado no relacionamento entre homens e mulheres.
E não se assustem com o tamanho do texto, que a Alexandra sabe como escrever um texto bem gostoso de ler. Boa leitura.




DE QUANDO TUDO ESTÁ SECO...

Olá, olá... Perguntas cada vez mais cabeludas estão chegando... Pois bem , o curso de gurias está aqui pra isso. Glad to help! A pergunta abaixo vai ajudar muita gente, posso garantir que todo mundo já se sentiu assim... Então vamos lá! Pergunta:

Quando tudo parce seco como não se entregar pro primeiro copo com água que aparece?

Resposta: A seca está acabando com as plantações não só aqui, mas no norte, no leste e no oeste. O que resta para nós, aqui, no sul do mundo? Cavocar um poço gurias! Achar água boa não é fácil! Porém, é necessário dizer que existem dois tipos de seca quando falamos do universo sentimental. Existe a seca a que ocorre devido a fênomenos externos (a chuva simplesmente não cai) e a que ocorre devido a fenômenos íntimos (a pessoa não quer se molhar). Como resolver o primeiro fenômeno, o externo, e não se atirar no primeiro copo d'água: É preciso saber gerenciar o momento de secura, a não ser que algum de vocês saiba a dança da chuva... Como se faz isso?

1. Mude de ares, a cidade é um pouco maior do que os dois ou três lugares que você costuma freqüentar.

2. Pense em começar a olhar para pessoas mais novas do que você, aquele gurizinho pode te supreender. Mas cuidado para não pagar um mico de tia, né!

3. Comece a
fazer algo inusitado até para você, coisas do tipo, aula de japonês. Mas não pense em ir para aula para caçar alguém, tenha calma, pois é a partir da descobertas e da busca por um novo conhecimento que surgem novos contatos, e assim novas pessoas ineressantes podem entar na sua vida.

4. A dica mais radical: internet. A gente sabe que é um risco, mas já vi dar certo, é só se cuidar em todos os sentidos.

Agora, como resolver o segundo fenômeno, aquela de cunho íntimo, em que a pessoa se sente seca, ou melhor, a pessoa acha que que está passando pelo primeiro fenômeno, mas na verdade ela está no segundo, este fenômeno íntimo em que ninguém é capaz de agradá-la... Minha amiga, está seca é bem mais difícil de resolver... Primeiro analise e você se localiza neste tipo de seca, se você souber identificar isso em ti, já é meio caminho andado. Para identificar isso, preste atenção nessas sintomas:

1. Você pensa no passado constantemente: -Ahhh (suspiro), com o fulano que era bom, pena que não deu certo, será que ele está pensando em mim agora?

2. Você desiste fácil de conquistar alguém na balada.

3. Você não acha ninguém legal ou que ninguém legal tá afim de ti.

4. Fica pensando que
vai ficar sozinha pro resto da vida.

5. Arranja amores impossíveis: o namorado da sua melhor amiga, um cara que mora em outro estado, o Jake Gyllenhaal.

Se você tem algum desses sintomas cuidado! Tu está prestes a agarrar qualquer copinho d'água suja com sabor de uva e achar que tá bom e aí tu só vai se decepcionar. Não cai nessa amiga!
Pensa bem, de repente tu vai ter que avaliar o que anda errado na tua vidinha maluca antes de sair por aí achando tudo ruim e ficar com qualquer coisa. Ficar com qualquer coisa faz parte, mas não faz disso a tua última chance de ser feliz. Mas também, e mais importante, não fecha as portas para aquele carinha interessante que sempre deu bola pra ti, mas que tu sempre achou ruim só porque o cabelo dele parece uma rampa de skate. Deixa a chuva te molhar garota. Se arrisque um pouco mais e dê chance para as pessoas! O cara do cabelo esquisisto pode te surpreender. Vai por mim! No cabelo a gente dá um jeito...

Se cuidem!

bjs

sexta-feira, 16 de maio de 2008

CAPRICHO 923


Cansada de perguntinhas idiotas?

Dê o troco e tenha na ponta na língua essas...

RESPOSTAS ESPERTAS!

Da sua amiga entrando no seu quarto e vendo fotos e
posters dos Los Hermanos por todos os cantos:

“Você é fã dos Los Hermanos?”

1. “Los Hermanos?
Pensei que fossem os Beatles.”

2. “Não. Meu irmão é, mas ele tem vergonha que os amigos
dele vejam que ele gosta de quatro barbudos.”

3. “Eu odeio eles.
Eu uso isso tudo como alvo de dardo.”

Da sua colega:

“Você vai fazer a prova?”

1. “Não, eu quero repetir o ano.”

2. “Vou, mas nem precisava, meu pai subornou a
professora e ela vai me dar 10 de qualquer jeito.”

3. “Nada a ver, depois que comecei a transar com
o diretor do colégio, as provas já eram.”

Uma fã, encontrando o Rodrigo Santoro na rua:

“Você é o Rodrigo Santoro?”

1. “Não, sou o irmão gêmeo dele.
Você é a primeira pessoa que nota a semelhança.”

2. “Você se confundiu,
eu sou o Murilo Benício.”

3. “Sou, mas se gritar, meu segurança ali
te dá um tranco no pescoço.”

Do seu namorado novo:

“Você acha que precisamos usar camisinha?”

1. “Imagina, estou louca pra ter um filho contigo.”

2. “Não, assim eu não vou ser a única
pessoa grávida no colégio.”

3. “Não precisa, pode deixar que
eu uso minha calcinha.”

Jerri Dias tem sempre uma resposta pronta.


quarta-feira, 14 de maio de 2008

A CHAMADA - conto

Imagem de Marte divulgada pela NASA em janeiro deste ano.


A porta abre.
Uma prateleira com vários livros. Livros sobre antropologia, sociologia, filosofia, história.
Outra prateleira. Artefatos não identificáveis dentro de plásticos. Alguns se assemelham a rostos. Inumanos. Outros parecem simples rochas.
Um celular começa a tocar.
Uma terceira prateleira. Uma câmera fotográfica e outra de vídeo. Tapes, rolos de filmes e fotos espalhados desordenadamente ao lado.

Segundo toque.
Ao lado da estante, uma mesa onde papéis timbrados de orgãos governamentais e anotações diversas acumulam-se. Um livro russo onde a única palavra identificável na capa é KGB destaca-se, encostado entre a mesa e a parede. Na parede branca em frente à mesa há mapas cartográficos alienígenas. O maior é de Marte. Perto do Monte Olympus há uma marca de caneta hidrocor e uma observação em forma de interrogação: “Vida?” No menor vê-se diversas marcas sob a superfície da Lua onde a palavra “Água” repete-se diversas vezes.
Terceiro toque.
Um pequeno abajur sobre a mesa aponta sua luz para a foto de um objeto-voador-não- identificado. No notebook um texto transcreve as palavras de Neil Armstrong falando de seu avistamento de uma base alienígena no lado escuro da Lua. Ao lado do notebook, uma xícara de café fumegante pela metade.
Mais livros, CIA, Mossad, sociedades secretas e o Pêndulo de Foucault estão abertos e marcados em determinados parágrafos. Cinzas de cigarro espalham-se sobre as páginas dos livros.
Quarto toque.
O cinzeiro quebrado no chão deixou espalhar cinzas e pontas de cigarro por todo o chão. Por cima da sujeira está caída a cadeira ao lado do corpo do repórter. A fina linha que corta seu pescoço deixa escapar o sangue que forma a grande poça rubro-negra que empapa seu cabelo.
Quinto toque.
Um homem de terno e luvas se abaixa sobre o corpo, retira o celular do bolso do casaco de repórter, desliga-o e joga-o displicentemente ao lado do corpo.
A porta fecha.

Fevereiro, 1999

sábado, 10 de maio de 2008

CAPRICHO 922


Você sabia que para Einstein o tempo é relativo?
Veja o que isso tem a ver com a sua vida com este...

MANUAL DO TEMPO

• O tempo demora para você receber sua mesada.
Mas voa enquanto você gasta tudo no McDonald’s.

• O tempo demora enquanto você espera algum gato famoso sair do Projac.
Mas voa quando ele passa batido por você e suas amigas,
que nem conseguem pegar um autógrafo.

• O tempo demora para você finalmente conseguir namorar aquele gatinho.
Mas voa até você descobrir que ele é o maior galinha.

• O tempo demora até você conseguir se tornar a top model mais requisitada da agência.
Mas voa até você ser trocada por outra favorita.

• O tempo demora para você sair de uma depressão.
Mas voa até você cair em outra.

• O tempo demora na fila do provador da loja.
Mas voa quando você está experimentando roupas com suas amigas.

• O tempo demora até você ter seu próprio celular.
Mas voa até ele ser roubado por um vagabundo qualquer.

• O tempo demora até você fazer 18 anos.
Mas voa até você querer ter 15 novamente.

• O tempo demora durante a menstruação.
Mas voa até chegar a próxima.

• O tempo demora até você conseguir ficar no peso ideal.
Mas voa até você estar 10 kg acima do peso.

Jerri Dias está sempre relativamente atrasado.

terça-feira, 6 de maio de 2008

ESTRADA - curta-metragem

Esse é um curta de horror vencedor do concurso de roteiros que escrevei e dirigi para o prêmio Histórias Curtas 2004 da RBS TV, filiada da Globo no RS. Eles já realizam esse concurso há 8 anos, sempre premiando 8 roteiros com verba e equipamento para realização dos filmes. Claro que não é muita grana, mas já dá pra fazer alguma coisa. Quisera outras TVs regionais se inspirassem no exemplo.
O curta conta a história de 3 amigos que se perdem na estrada...
Clique na setinha no painel de controle para visualizar em tela cheia.


ESTRADA from Jerri Dias on Vimeo.

domingo, 4 de maio de 2008

CAPRICHO 921


FICANTE OU NAMORADO

Como saber se o menino é uma coisa ou outra.

1. Alguém conta uma piada e ele começa a rir como um hipopótamo com tosse.

É ficante... - Você ri da cara dele e sai fora, procurando coisa melhor.

É namorado... - Você se encolhe toda de vergonha.

2. Você apresenta o menino para sua amiga de todas as horas, que acaba ficando interessada nele.

É ficante... - Você o libera para ele ficar com ela.

É namorado... - Os dois ficam sem você saber.

3. Você quer ir ao show do Jota Quest e ele ao jogo do Flamengo.

É ficante... - Cada um vai fazer o que está a fim de fazer.

É namorado... - Ele a proíbe de ir ao show do Jota Quest, porque, afinal, o Jota Quest é ruim pra caramba.

4. Você sai com ele usando a menor minissaia que conseguiu comprar.

É ficante... - Ele acha o máximo exibir você para os amigos.

É namorado... - Ele joga a saia fora e pede para que você coloque uma saia da sua mãe.

5. Vocês estão no maior amasso na balada e seu pai aparece.

É ficante... - Ele dá no pé e a deixa sozinha.

É namorado... - Ele diz “oi”, dá tchau e a deixa sozinha.

6. Vocês vão assistir a Matrix Reloaded.

É ficante... - Vocês não entenderam nada porque ficaram se amassando.

É namorado... - Vocês não entenderam o filme porque a ex dele estava no cinema, piscou para ele e vocês ficaram brigando o tempo inteiro.

Jerri Dias não sabe se fica ou se vai.

quinta-feira, 1 de maio de 2008

THE BOYS – O Lado (muito) Podre dos Super-Heróis


Quer ver o lado podre das pessoas comuns ? E dos super-heróis? Quer ver também?! Então, The Boys (Os Rapazes), da dupla Garth Ennis e Darick Robertson é a série que você deveria estar lendo neste momento. Situada num mundo onde a Brooklyn Bridge foi destruída e o World Trade Center continua de pé, humanos transformados em “super-heróis” graças a engenharia genética e poderosas drogas, fazem o que bem entendem enquanto a sociedade e o governo fazem vista grossa para quase todas as burradas, atrocidades e crimes que eles cometem. Mas alguém tem que “vigiar os vigilantes” e para isso a CIA cria uma divisão secreta chamada Os Rapazes, cinco super-agentes encarregados de chantagear, surrar ou mesmo assassinar super-heróis que saem (demais) da linha.

Como sempre, Ennis cria personagens interessantes e tramas aparentemente simples, que vão desdobrando-se num emaranhado de conexões que deixam o leitor entusiasmado e angustiado com vislumbres do que está por vir.

Violência extrema, humor politicamente incorreto, perversões sexuais e um texto afiado recheado de citações pop é o que você encontra nessa paródia do mundo dos super-heróis. Versões decadentes e imorais da Liga da Justiça e Os Vingadores são retratadas mais preocupadas com merchandising e em assediar sexualmente novos membros de suas equipes do que em realizar qualquer ato heróico. Mais ou menos o que aconteceria se pessoas aleatórias fossem alçadas ao patamar de semi-deuses. Afinal, para que ser um super-vilão, se como super-herói você pode fazer o que bem entende que o governo e as empresas cobrem tudo?! É como ouvi dizer certa vez: “Você tira a pessoa da favela, mas não tira a favela da pessoa.”

O fato de Ennis trabalhar com muitas situações sexuais (das mais conservadoras às mais bizarras e engraçadas) pode incomodar certas pessoas e talvez num primeiro momento você até pode achar que homossexualismo = perversão no dicionário de Ennis, mas isso logo se dissipa quando mais adiante você topa com personagens gays que são tão normais quanto você. Assumindo que você que está lendo esse texto, é normal.

Alguns críticos e fãs acham que Ennis está se repetindo demais ao exacerbar em demasia o cinismo, a hipocrisia e a violência em seus personagens. Mas se você fizer as contas no papel, vai descobrir que 90% das publicações de super-heróis ou similares são voltadas para um bom-mocismo e um patriotismo tão irreais quanto cretinos. Os outros 10% sobram para caras como Garth Ennis, Neil Gaiman Alan Moore, Mark Millar e Warren Ellis, que apesar de estarem no outro extremo, pelo menos são inteligentes e honestos com o leitor. E afinal, alguém tem que fazer esse trabalho sujo.

As ilustrações de Robertson servem bem à crueza e decadência dos personagens e situações apresentados. Mas cabe ressaltar aqui, que como roteirista que sou, minha análise sobre a arte de ilustradores é baseada meramente em um parco conhecimento de arte e um senso de estética puramente pessoal. Ou seja, minha opinião é tão válida quanto a sua, caro leitor(a).

AVISO: Esta obra é voltada para leitores maduros. Se por algum motivo, você ainda não sente preparado(a) para os fatos grotescos e estranhos da vida, sugiro a leitura de HITMAN, uma série mais debochada e light do mesmo autor.