terça-feira, 22 de dezembro de 2015

TOP 5 - FILMES DE ANIMAÇÃO PARA ADULTOS


A REVOLUÇÃO DOS BICHOS (Animal Farm, Inglaterra, 1954)

"Todos os animais são iguais. Mas alguns animais são mais iguais do que outros."
A distorção da lógica e da linguagem como arma política.


Direção de Joy Batchelor e John Halas

Adaptação do clássico de George Orwell, autor de 1984. Sátira política de URSS da Revolução Russa e especialmente do regime de Stalin, os animadores também se deram ao luxo de fundir visualmente algumas características e maneirismos das elites políticas britânicas. Criado com um estilo visual que assemelha-se aos filmes da Disney da época, o filme pode enganar pais ou crianças desavisadas sobre o forte teor político contido nesta obra  que mostra animais tomando conta de uma fazenda através de uma revolta contra o fazendeiro humano opressor. Não demora muito para que porcos decidam que, por serem mentores intelectuais, merecem uma vida melhor do que a dos demais animais que trabalham sem parar para manter a fazenda ativa. Uma fábula política ainda atual sobre como a ganância de uns poucos triunfa sobre a ingenuidade de muitos.    





SUBMARINO AMARELO (Yellow Submarine, Inglaterra, 1968)

Uma daquelas raras animações que explora com profundidade as possibilidades criativas do gênero.

Direção de George Dunning. 
Vozes de John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr

Bom, para começar é uma animação com Os Beatles como personagens principais cedendo suas próprias vozes e canções para ilustrar a invasão de Pepperland, uma terra de paz, harmonia e música pelos Malvados Azuis (ou Malvados Tristes, em uma tradução mais de acordo com os personagens, já que Blue é sinônimo de Triste em inglês). Uma delicada e amalucada criatura é enviada para procurar ajuda e depara-se com Os Beatles, que como quaisquer artistas hippies, topam qualquer parada psicodélica e surrealista que se apresente. Um prodígio de animação estilizada para a época, e graças a isso, a arte se mantém atual e inovadora para nossos dias carregados de animações digitais que pouco arriscam na estética. Com muito bom humor, o filme flerta com Shakespeare, ficção científica, filosofia com muitas alusões aos anos 60. Capitão América talvez não entendesse a maioria das referências, mas certamente se divertiria muito com o filme e a música.   





AMERICAN POP (EUA, 1981)

 50 canções que marcaram a cultura pop do século XX foram cuidadosamente selecionadas para a trilha sonora do filme.

Direção de Ralph Bakshi

Ralph Bakshi tem uma carreira de altos e baixos no gênero, e apesar de suas inúmeras tentativas de fazer animação para adultos, American Pop está entre os poucos filmes bem sucedidos de sua obra. Na verdade, eu considero este filme uma pequena obra-prima, mesmo em que pese contra a curta duração da obra. Afinal, 96 minutos para contar a história de 80 anos de música americana através de 4 gerações deixa alguns ricos personagens e suas histórias com pouco tempo de tela. Ainda assim, misturando diversas técnicas de animação e até mesmo usando cenas de noticiários e filmes, Bakshi consegue dar o tom realista e um pouco depressivo da ascenção da classe operária branca através da música. A rotoscopia, método onde se filma atores reais e depois se desenha por cima frame a frame garante uma performance dramatúrgica muito superior a maioria das animações, inclusive as digitais. Dos anos 1910, partindo dos pogrons (perseguição czarista aos judeus) na Rússia até a cena punk/new wave dos anos 1970/80, o filme consegue até mesmo promover, em uma breve cena, um irônico "encontro" geracional entre um velho rabino judeu e um rockeiro traficante que demonstra o abismo cultural que agora existe entre o protagonista final e seus antepassados. O rabino, com uma forte reverência a um passado que não mais existe e o rockeiro, que encara o futuro com a irreverência e a solidão do mundo pop contemporâneo.            





A VIAGEM DE ALICE (Neco z Alenky, Ex-Tchecoslováquia, 1988)

Se você achava que Alice era um história infantil ou exclusiva para meninas, esse filme irá mudar sua opinião.

Direção de Jan Svankmajer

De acordo com a maioria dos críticos, esta é a adaptação definitiva do romance Alice no País das Maravilhas. Como ainda não li o livro, não posso afirmar isso, mas posso declarar que esta é a melhor versão que já assisti. Sim, a versão de Tim Burton me deu sono. Jan Svankmajer é um animador multi-premiado por seus filmes originais, criativos e surrealistas utilizando stop-motion com qualquer tipo de objeto e material. A Viagem de Alice é tudo isso e ainda macabra, bizarra e perturbadora. Kristina Kohoutova, uma menina de 7 anos, é a única atriz no filme e ainda assim, ela ocasionalmente é substituída por uma boneca daquelas que costumam ser usadas em filmes de terrror. A própria Alice narra e faz as vozes dos outros personagens em um filme quase sem palavras, criando uma atmosfera realmente ambígua entre sonho e realidade da personagem. Mostre para seus filhos pequenos e garanta muitos pesadelos futuros.   





MARY E MAX (Mary and Max, Austrália, 2009)

 A agridoce história de uma comovente amizade.

Direção de Adam Elliot
Vozes de Toni Collette, Philip Seymour Hoffman e Eric Bana

Alguns poderiam dizer que este é o filme que a Pixar nunca fez. Apesar de feito com técnica de animação de argila, o filme, que narra a amizade a distância entre uma menina australiana solitária e um adulto americano obeso com síndrome de Asperger, tem personagens mais profundos e tridimensionais do que a maioria dos dramas com atores reais. Através de trocas de cartas por mais de 20 anos, os personagens revelam-se um ao outro com um bom humor levemente melancólico. Com as vozes de dois atores talentosos, Hoffman (de Synedoque, New York) e Colette (O Casamento de Muriel), o espectador é brindado com um filme que o leva a refletir sobre aceitação, tolerância e empatia com o outro. Apesar de temas adultos como sexo, suicídio e morte serem abordados, o filme tem cenas bem humoradas e divertidas o suficiente para entreter crianças e adolescentes maduros.






Essa lista não tem intenção de declarar que estes são os melhores filmes deste gênero, pois existem muitos outros com tantas qualidades quanto os aqui apresentados e alguns, até por serem mais atuais ou muito conhecidos, deixei de fora da lista. Mas deixo aqui mais três filmes que são "Hors-Concours" na animação para adultos.


AKIRA (Japão, 1988)

 Katsuhiro Otomo dirige a adaptação de sua premiada série homônima sobre uma gangue de motoqueiros adolescentes que se vê envolvida em conspirações militares com paranormais superpoderosos.


O FANTÁSTICO SR. RAPOSO (Fantastic Mr. Fox, EUA, 2009)

O  estiloso diretor Wes Anderson convidou George Clooney, Meryl Streep e Bill Murray para fazer as vozes desta divertida fábula sobre a sobrevivência.


SOUTH PARK: MAIOR, MELHOR E SEM CORTES (South Park: Bigger, Longer & Uncut, EUA, 1999)

Os criadores do desenho animado mais debochado e implacável das última décadas, Trey Parker e Matt Stone, colocam as crianças de South Park no centro de uma hilária guerra dos EUA contra o Canadá.


E você, viu algum filme que não está nesta lista e acha que deveria estar?

Nenhum comentário: