sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

AINDA ORANGOTANGOS (Brasil, 2008) – Crítica


Baseado em contos do escritor gaúcho Paulo Scott, esse é o primeiro longa-metragem de Gustavo Spolidoro, que junto com Gibran Dipp, assina o roteiro.

O filme é um esforçado plano seqüência que atravessa pedaços da vida de personagens tristes, patéticos, loucos, abandonados, drogados e sobretudo apaixonados. A se guiar pelo título, o filme busca mostrar o comportamento ainda simiesco da fauna urbana. Não é difícil se ver retratado no filme, ou no mínimo, reconhecer amigos e amigas em suas fases loucas e boêmias.

Karina Kazuê e Lindon Shimizu



Se você curte isso tudo, provavelmente vai gostar de AINDA ORANGOTANGOS, já, se você é meio careta como eu, talvez não goste tanto. Como já disse, o plano-seqüência é o grande trunfo do filme, e também seu calcanhar de Aquiles. Ao primar pela linguagem, o diretor sacrifica o roteiro, que poderia ter sido melhor dilapidado na redução de algumas cenas (como a do casal que toma um porre de perfume) e também não dá chance aos vários atores de renderem o que poderiam através do benefício da edição. Como o filme foi escolhido pelo take único que melhor se adequava a linguagem proposta por Spolidoro, o que se vê são atores que calharam de estar bem naquele determinado take contra outros que não estavam tão bem e outros que simplesmente estavam ruins. Isso fica muito evidente na interpretação do garoto Kayode da Silva, cuja interpretação só poderia ter sido salva na sala de edição. Com atores irregulares, o jogo de cena fica comprometido e muitos diálogos soam artificiais, comprometendo o filme no geral. E a evidente simpatia que o diretor parece ter por seus personagens e suas situações acaba por aliviar a crítica ou deboche que poderia ter sido retratar tão rica fauna.

Renata de Lélis e Nilsson Asp



E tem a pergunta que não quer calar: porque rodar esse filme específico em plano-seqüência? O roteiro não parecia exigir nada disso. A resposta parece simples pra quem conhece a trajetória de Spolidoro: o diretor é conhecido e reconhecido por dois curtas-metragens. A saber, VELINHAS e OUTROS, ambos rodados em plano-seqüência. Morta a charada, nota-se um grande interesse do diretor em estética e linguagem, o que o levou a usar isso também em sue primeiro longa-metragem. Em termos de maketing, deu certo. AINDA ORANGOTANGOS é o primeiro longa em plano-seqüência feito no Brasil e um dos poucos realizados no mundo. Isso apenas, independente do filme ser bom ou ruim, já garante lugar em muitos festivais nacionais e ao redor do mundo, sem falar no interesse da mídia, que em sua grande maioria, parece estar gostando bastante do filme. E para o cinema brasileiro, propaganda nunca é demais.

Kayode da Silva (menino) e Marcelo de Paula



Mas confesso que eu esperava mais maturidade do diretor em relação ao roteiro e aos personagens, que muito pouco evoluiram em relação aos curtas citados. Espero que Spolidoro busque um maior equilíbrio entre roteiro, linguagem e atores em seu próximo longa.

Mas para não dizer que não gostei de nada, a última seqüência é uma divertida e anárquica invasão de um baile evangélico por um rapaz apaixonado pela debutante. A seqüência tem poucos diálogos e o pouco que é dito me pareceu mais humano, verdadeiro e patético. Como numa boa peça de Nelson Rodrigues.





Trailer do filme

E pra quem curte rock nacional, o site disponibiliza todas as canções da trilha sonora no link:



E meu amigo e compositor Yanto Laitano, que compôs ótimas trilhas sonoras para meus curtas, também comparece com a canção “Meu Amor”, que é bem bacana e engraçadinha e que logo, logo vai ter um vídeo clip. Pra conhecer mais músicas e vídeos do Yanto, clique no link:



14 comentários:

Tatah Santini disse...

Li a crítica, vi o trailer. Quando tiver oportunidade verei o filme e depois te falo o que achei!

' Sofih! disse...

Pelo que li, acho que não vou gostar do filme. Sei lá, não faz meu tipo...

Mas assim, atores são tudo em um filme. Se não são competentes como vao dar sentimentio pra coisa. Fica artificial!

Bjssssss

Bruna Bianconi disse...

pelo que li e vi por ai não gostarei do filme mais provavelmente irei assistir pra ter uma noção maior!

MADE IN LIBERDADE disse...

deve ser legal o filme...
Beijos!

Pauliinha; disse...

Ah, não acho que eu vá gostar, mas penso em ver pra formar minha opinião. Já que eu vi vários filmes pensando qe nao ia gostar e acabei me enganando :s
beijos :*

Marcella *-* disse...

Acho que só vendo para saber se vou gostar ou não.
Acho que não...

Postagem nova no blog!

Beijos liga pra minha mãe e pede pra ela comprar pizza e trazer pra cá!

Vitória Lemos disse...

Jerri,

Realmente, admiro a capacidade que tu tens de discordar daquilo que todos acham... De formar a tua opinião sem se influenciar pelo que a maioria das pessoas diz. (:
Não vi o filme, portanto não posso opinar :B

ah, vi seus comentários...
obrigada pelo elogio em "O Cubo Mágico" (: quase morri quando vi (os adolescentes quase morrem por qualquer coisa...)^^

Liih disse...

Não sei se eu vou gostar..
Mas, sei lá qm sabe eu assista.
Quem sabe já é pedir de mais. Pra assistir filme eu sou meio futil e faço valer os filmes de adolescente: eu só assisto comédias romanticas onde nõ vou precisar pensar. Tipo, um desligamento do cerebro.
Esse filme tem q pensar???
KK
Bjs

Pri disse...

eu quero assistir!

bjs

Hermes disse...

Parece ser interessante, vou tentar me lembrar de ver esse filme, quando estiver livre do vestibular, hauaha.

Anônimo disse...

Não sei se vou gostar dcesse filme... sei lá...

De qualquer maneira passando para agradecer a amável visita e desejar um lindo domingo e paz.

Smack!

Edimar Suely
jesusminharocha.blig.ig.com.br

D.Ramírez disse...

Grande Jerri,
Bela dica de filme....
Fiquei feliz com suas palavreas lá em meu blog, e gostaria sim de conversar a respeito sobre o que você disse no comentário...
No meu perfil tem meu e mail, se quiser, acho até mais fácil, ai falo um pouco sobre meu trabalho, além de vc ficar com meu contato...
Fico no aguardo!!!
Abração e obrigado.

Kamilla disse...

Tenho q ver para saber se gostarei, pq já teve tanto filme q a critica abraçou e q eu detestei, e vice-versa.
Concordo q filme brasileiro só decola no Brasil se tiver mta, mta propaganda.
Obrigada pelo elogio q vc fez a meu perfil no meu blog!

▀█ Camila Siqueira ♣ disse...

Talvez eu goste!