domingo, 11 de outubro de 2009

FERNANDA FURQUIM - Entrevista


Conheci a Fernanda Furquim quando tinha 15 anos. Naquela época ela fundou, junto comigo e muitas outras pessoas, o grupo GÊNESIS, dedicado ao gênero Fantástico em todas as suas ramificações. Isso incluía séries de TV, como JORNADA NAS ESTRELAS, da qual Fernanda era fã de carteirinha. Durante dois anos editamos um fanzine chamado MILLENNIUM, no qual Fernanda não participou muito, pelo que me lembro. Mas alguns anos depois, quando o grupo e o fanzine já haviam acabado, Fernanda apareceu com o fanzine TV LAND, que mais tarde se transformaria na revista TV SÉRIES e durante anos seria distribuída por todo o país em bancas e comics stores especializadas, além de ter muitos assinantes. Detalhe: a Fernanda fazia quase tudo sozinha! Infelizmente a revista acabou, mas ela continua no blog REVISTA TV SÉRIES, onde você encontra tudo sobre séries e desenhos animados do mundo todo de todas as épocas, curiosidades e novidades de tudo o que é e foi produzido nos últimos 60 anos de TV!


Claro que a Fernanda acabou se formando em Jornalismo e já publicou dois livros muito bacanas sobre séries de TV:



SITCOM: DEFINIÇÃO E HISTÓRIA é um estudo sobre esse famoso gênero cômico que abrange séries como FRIENDS, SIMPSONS, A GRANDE FAMÍLIA e centenas de outras.


Nas livrarias e aqui.



Já AS MARAVILHOSAS MULHERES DAS SÉRIES AMERICANAS traça um perfil evolutivo da personagem feminina além de curiosidades sobre produções estreladas por mulheres.


Nas livrarias e aqui.


Claro que com todo esse conhecimento, a Fernanda é frequentemente requisitada para escrever matérias e artigos para diversas revistas e até programas de TV. A Fernanda é uma ótima amiga e eu fico muito feliz de ver ela dedicando suas horas de trabalho fazendo coisas pelas quais ela é apaixonada desde a adolescência.


Ufa, me empolguei, falei horrores e não deixei a Fernanda falar. Vamos à entrevista.


Quando foi que você notou que seu interesse por seriados de TV ultrapassava o do espectador comum?


Quando comecei a ler a respeito das produções, entrevistas com roteiristas, diretores, produtores; a ler sobre o mercado televisivo, etc, para tentar entender melhor o universo das séries de TV.

ALÉM DA IMAGINAÇÃO (1958-1964), driblava a censura da época ao falar sobre questões sociais, políticas, religiosas e raciais usando narrativas fantásticas. A série foi tão marcante, que suas idéias já foram reaproveitadas em duas séries homônimas de 1985 e 2002. Até Steven Spielberg homenageou a série com um filme, batizado aqui de NO LIMITE DA REALIDADE (1983).


Hoje existem comunidades no orkut pra cada série de TV existente ou que existiu. Mas com quem você podia dividir essa paixão na adolescência, já que quando você tinha 15 anos, algo parecido com a internet só existia mesmo nos filmes e séries de Ficção-Científica?


Na verdade até mudar para Porto Alegre não dividia com ninguém. Não conhecia ninguém que gostasse de séries. Na época dependíamos de cartas de leitores publicadas em revistas e jornais especializados em cinema e televisão. Lá os fãs disso e daquilo, pediam que outros fãs escrevessem para se conhecerem. Foi assim que, nos anos 80, fui formando uma turminha com quem mantenho contato até hoje.

E como era para conseguir informações sobre suas séries e atores preferidos?


Tinha que importar tudo, não tinha material suficiente no Brasil. Mas naquela época era proibido. Não podíamos enviar dinheiro para fora do país sem enfrentar uma terrível burocracia. Tínhamos que importar via livrarias que cobravam o tal do dólar livro. Tínhamos correspondentes no exterior que às vezes mandavam alguma coisa. Para assinar uma revista era preciso enviar o dólar embrulhado em papel carbono dentro de um envelope, porque não tinha cartão de crédito internacional. Quando viajava trazia algumas coisas também. Era uma luta diária...

JORNADA NAS ESTRELAS (1966-1969) revolucionou a ficção-científica mostrando um futuro onde a humanidade vive a utopia de um mundo sem guerras e se dedica a explorar novos mundos. Exibiu o primeiro beijo interracial da TV, teve mais 5 séries abrangendo o universo criado por Gene Rodenberry e 11 filmes no cinema.


Você acha que sua participação no grupo GÊNESIS e no fanzine MILLENNIUM quando você era adolescente, podem ter te influenciado a fazer teu próprio fanzine?


Com certeza deu maior confiança de que este tipo de publicação era possível. Conviver com pessoas que faziam o fanzine Millennium me ensinou como as coisas funcionam nos bastidores. Mas só fui ter coragem de publicar um fanzine depois de ter passado pela experiência de colaborar com textos para E No Próximo Episódio - ENPE, porque até lá eu não acreditava que era capaz de escrever matérias.

Como foi produzir a TV LAND?


Começou mais como experiência, para saber se eu conseguia. Na época o ENPE estava acabando e eu recebia muitas cartas de pessoas perguntando informações sobre suas séries e atores favoritos. Então pensei em responder a todos ao mesmo tempo e ainda manter o prazer de falar sobre o assunto. Foi aí que surgiu o TV Land em 1995.

AS PANTERAS (1976-1981) foi uma série que ficou mundialmente conhecida mostrando lindas mulheres combatendo o crime. Até uma capa da revista TIME a série mereceu. A loira Farrah Fawcett foi um dos maiores ícones da beleza dos anos 70. E claro, tem dois filmes baseados no seriado.


E a revista TV SÉRIES?


A TV Séries surgiu em 1997 porque o TV Land cresceu tanto que se transformou em revista. Na época o Fernando Henrique Cardoso era o Presidente e ele equiparou o dólar ao real. Então foi possível investir na publicação em gráfica, porque antes era xerox. A capa ficou colorida, o interior ficou P&B. A revista ganhou um maior número de páginas e consegui uma pequena distribuidora para colocá-la em bancas especializadas de todo o Brasil. Os assinantes aumentaram e a venda avulsa também, além, é claro, do trabalho. Na época ninguém queria trabalhar na faixa, como é hoje, ou por pouco dinheiro, então fiquei sozinha, com a Marta Machado me ajudando (hoje ela me ajuda no Blog). Na hora de registrar o nome, tive que mudar de TV Land para TV Séries, porque nesse meio tempo surgiu o canal TV Land americano que registrou o nome a nível internacional para todos os veículos de comunicação. TV Séries era o título que eu tinha pensado primeiro e depois mudei para TV Land; então foi só mudar de volta.

Você tem dois livros sobre séries de TV publicados. Algum projeto para um próximo livro?


Estou tentando publicar um terceiro, mas como não é um texto de entretenimento, é um texto de levantamento histórico, está meio difícil encontrar uma editora. Apesar da fama das séries, elas ainda são vistas apenas como entretenimento, não são vistas como estudo ou como forma de análise de uma cultura. O texto que tento publicar é sobre a evolução histórica da televisão (com base nas séries) americana em relação ao cinema.

A GATA E O RATO (1985-1989) foi disparado a melhor série cômica policial dos anos 80. Seus diálogos espertos e a divertida tensão sexual entre Bruce Willis e Cybill Shepperd continuam servindo de referência para qualquer série do gênero até hoje.


Por experiência própria, sei que aqui no Brasil, muitos profissionais que desenvolvem trabalhos relacionados à área cultural acabam se desdobrando em várias atividades, seja por necessidade financeira como por pura paixão mesmo. Então, fora seus trabalhos free lancer como jornalista especializada em séries de TV, você também realiza outras atividades profissionais?

Durante cinco anos estive no meio teatral, atuando e ajudando a produzir peças. Também trabalhei em administração por um curto período de tempo, além de organizações de eventos. Tenho três diplomas universitários e um de curso técnico.

Sei que você é colecionadora de séries, entre outras coisas Poderia nos dar alguma idéia de quantas séries de TV você tem na sua coleção?

Perdi a conta. Guardo material de séries desde 1978 e gravo desde 1986, sendo que procuro guardar material e video por amostragem, ao menos um episódio de cada série produzida e exibida. Daquelas que gosto mais, gravo tudo.

FRIENDS (1994-2004) começou como apenas mais uma sitcom qualquer e terminou sendo um dos maiores sucessos da TV americana, com cada um dos 6 protagonistas recebendo um milhão de dólares por episódio na última temporada. Imperdível!


Pra finalizar, quais são suas 10 séries favoritas de todos os tempos?

Nossa, é o mesmo que perguntar à mãe qual seu filho favorito!!!!



E não deixe de conhecer o ultra informativo blog REVISTA TV SÉRIES!



ENQUANTO ISSO...


Conheça os novos super-heróis da Disney/Marvel!


E comemore atrasada o lado engraçado do Dia do Atletismo!


7 comentários:

Elide Elen disse...

Vou ver o blog, afinal sou louca por séries!
Beijos!

Elide Elen disse...

Ah... e descobri que já sigo o twitter do blog TV Séries!

♥ Mαrcellα L. disse...

Gostei dessa mulher, darei uma olhada nos trabalhos dela... minha vó tem umas revistas antigas aqui.

Beeeeijos!

Passa no meu blog e expresse sua opinião sobre sutiãs de enchimento! =D

Nanda Lima disse...

Ah, ela é muito trii *-*

Adoreei, mesmo.. =D

Beijinhos e sucesso :*

Elisa Mucida. disse...

Nunca tinha ouvido falar dela mas, gostei de entrevista.

Ah, muito obrigada pelo visita lá no blog e por ler a minha entrevista. Adorei os elogios.

Beeijos.

Acid Fingers disse...

A melhor coisa que existe é o que a Fernada faz, trabalhar com o que a gente gosta.
Uma das minhas paixões é séries também, aliás, no livro dela AS MARAVILHOSAS MULHERES DAS SÉRIES AMERICANAS, colocar a Scully na capa do livro já é muito convidadivo.
Sobre a entrevista, me lembrei da época em que era difícil encontrar informações e pessoas com o mesmo interessse. Hoje na Jedicon, por exemplo, cola uma molecada que acabou gostando de Star Wars porque viu um scrap ou comunidade no orkut de um amigo e por aí vai.
Éééé...era difícil na minha época.hehehe...
Na última pergunta, acho que daria a mesma resposta! :D

Ahhh...Jerri, se você imaginasse como fiquei feliz com sua visita em meu blog!!!! rs... ;D


Bjssss...

Jose Antonio disse...

Acompanho o blog da Fernanda a cerca de um ano e desconhecia esse grande envolvimento dela com o mundo das séries. Parabéns pela entrevista.