sábado, 24 de janeiro de 2015

TOP 5 - O melhor de Philip Glass



Philip Morris Glass (1937 - ) é considerado um dos compositores mais influentes do final do século XX. Sua música costuma ser polemicamente descrita como minimalista, junto com o trabalho de outros "grandes minimalistas", La Monte Young, Terry Riley e Steve Reich.

Glass se distanciou da classificação minimalista descrevendo a si mesmo como um compositor de "música com estruturas repetitivas". Apesar de sua maturidade musical inicial se identificar com o que é comumente chamado "minimalista", ele evoluiu esteticamente desde então. Atualmente se descreve como um "Classicista", mostrando que tem prática em harmonia e contraponto e estuda compositores como Franz Schubert, Johann Sebastian Bach e Wolfgang Amadeus Mozart com Nadia Boulanger.

Glass é um compositor prolífico: escreveu diversas partituras para o grupo musical fundado por ele, o Philip Glass Ensemble (no qual ainda toca teclado), assim como para operas, espetáculo teatrais, dez sinfonias, onze concertos, trabalhos solo, música de câmara incluindo quartetos de cordas e sonatas instrumentais e trilhas de filmes. Três de suas composições originais para cinema foram indicadas ao Oscar.

Em 2001 tive a sorte de ser responsável por cuidar de Philip Glass e o Chronos Quartet durante sua estada em Porto Alegre para apresentar sua trilha sonora para a versão de 1931 de  Drácula. Simpático e reservado, tive a oportunidade de conversar um pouco com ele, tirar uma foto juntos e obter um autógrafo no meu álbum Mishima :-)  Uma das poucas celebridades internacionais que eu glorifico de joelhos. 


Adaptado do Wikipedia.











Nenhum comentário: